• Avatar do usuário
#48394
Um dos desafios da atualidade está relacionado com a prática do bullying na sociedade. Nesse contexto, percebe-se que o bullying consiste em agressões verbais, físicas e psicológicas que humilham, intimidam e traumatizam a vítima, além de causar danos profundos na pessoa, como: depressão, distúrbios comportamentais e até o suicídio. Dessa forma, políticas públicas são necessárias para o tema em questão
Em primeiro lugar, vale ressaltar que o bullying é uma prática injusta, visto que os agressores agem em grupo ou contra indivíduos que não conseguem se defender. Segundo levantamento feito pela Universidade Federal do Paraná, “Quase 60% dos alunos do ensino fundamental de Curitiba afirmam ter sofrido algum tipo de bullying na escola”. Acerca disso, percebe-se que os efeitos sobre o indivíduo podem ser devastadores e irreversíveis, como: isolamento social, queda no rendimento escolar e na autoestima, quadros de depressão, transtorno de ansiedade, síndrome do pânico e outros distúrbios que se não tratados podem levar o indivíduo a tentar o suicídio. Por fim, faz-se necessário a formulação de ações para o combate desse impasse.
Por conseguinte, é mister destacar que até a década de 1970 o bullying era visto como um traço comportamental natural. De acordo com o artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos, “Todos os seres nascem livres e iguais em dignidade e em direitos”. A partir disso, é fato que todos os indivíduos devem ser tratados de forma igual e ainda que prevaleça os direitos inerentes à pessoa humana conquistados há décadas, embora não aceito por determinados indivíduos e grupos que ainda tendem a praticar o crime de bullying. Por fim, é imprescindível que seja realizado um trabalho focado na identificação e punição dos autores.
Portanto, medidas precisam ser tomadas para resolver esse impasse. Logo, cabe ao Governo Federal, em parceria com a Secretária de Justiça e Segurança Pública, por meio de incentivos fiscais, criar um programa chamado “Cidadão Seguro”, com a realização de palestras e campanhas de conscientização sobre a prática e o combate da discriminação na sociedade, além de criar um canal para denúncias para casos de bullying, a fim de que crianças, adolescentes e adultos não fiquem com seqüelas físicas e psicológicas deste ato desumano. Dessa maneira, podem-se atingir resultados satisfatórios.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

#48420
Um dos desafios da atualidade está relacionado com a prática do bullying na sociedade. Nesse contexto, percebe-se que o bullying consiste em agressões verbais, físicas e psicológicas que humilham, intimidam e traumatizam a vítima, além de causar danos profundos na pessoa, como: depressão, distúrbios comportamentais e até o suicídio. Dessa forma, políticas públicas são necessárias para o tema em questão.

Em primeiro lugar, vale ressaltar que o bullying é uma prática injusta, visto que os agressores agem em grupo ou contra indivíduos que não conseguem se defender. Segundo levantamento feito pela Universidade Federal do Paraná, “Quase 60% dos alunos do ensino fundamental de Curitiba afirmam ter sofrido algum tipo de bullying na escola”. Acerca disso, percebe-se que os efeitos sobre o indivíduo podem ser devastadores e irreversíveis, como: isolamento social, queda no rendimento escolar e na autoestima, quadros de depressão, transtorno de ansiedade, síndrome do pânico e outros distúrbios que se não tratados podem levar o indivíduo a tentar o suicídio. Por fim, faz-se necessário a formulação de ações para o combate desse impasse.

Por conseguinte, é mister destacar que até a década de 1970 o bullying era visto como um traço comportamental natural. De acordo com o artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos, “Todos os seres nascem livres e iguais em dignidade e em direitos”. A partir disso, é fato que todos os indivíduos devem ser tratados de forma igual e ainda que prevaleçam os direitos inerentes à pessoa humana, [vírgula] conquistados há décadas, embora não aceito por determinados indivíduos e grupos que ainda tendem a praticar o crime de bullying. Por fim, é imprescindível que seja realizado um trabalho focado na identificação e punição dos autores.
* Atenção na repetição de palavras, bullying é palavra-chave, mas procure sinônimos e pronomes

Portanto, medidas precisam ser tomadas para resolver esse impasse. Logo, cabe ao Governo Federal, em parceria com a Secretária de Justiça e Segurança Pública, por meio de incentivos fiscais, criar um programa chamado “Cidadão Seguro”, com a realização de palestras e campanhas de conscientização sobre a prática e o combate da discriminação na sociedade, além de criar um canal para denúncias para casos de bullying, a fim de que crianças, adolescentes e adultos não fiquem com seqüelas [não existe trema mais] físicas e psicológicas deste ato desumano. Dessa maneira, podem-se atingir resultados satisfatórios.

Espero ter ajudado! ;)
Abuso sexual infantil

Boa noite, você escreve muito bem, mas recom[…]

Celular um amigo ou inimigo?

É notório que, na modernidade contem[…]

Invisibilidade e Registro civil

No romance filosófico "Utopia" cr[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM