Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação mais de uma vez = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos de "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
  • Avatar do usuário
#41299
No longa-metragem brasileiro, baseado na peça "O Auto da Compadecida" de Ariano Suassuna, é mostrado o comportamento de Chicó e João Grilo, que, constantemente, obtêm vantagens em diversas situações. Estes acontecimentos, embora ficcionais, ocorrem em razão da utilização do "jeitinho brasileiro" -prática desonesta em que o indivíduo ignora regras e normas para se beneficiar-, que, infelizmente, é comum no Brasil. Sob tal ótica, é válido ressaltar as consequências desse ato nos âmbitos político e jurídico a fim de conscientizar a população, como também reverter esse cenário.


As pequenas corrupções praticadas, diariamente, tornaram-se banais e se refletem, por exemplo, na atitude absurda dos representantes da população. Isto pode ser explicado pela filósofa alemã Hannah Arendt em seu conceito de "banalidade do mal", o qual analisa a importante participação de homens e mulheres "inocentes" no Nazismo, visto que deram o "consentimento" para que esse terrível fato histórico ocorresse, uma vez que "banalizaram" o mal contido nele.
Análogo a isso, no contexto atual, a sociedade brasileira tem tornado a "venda de votos" - algo ilegal -, cada vez mais banal, assim, ignorando as consequências negativas do mesmo. Essa atitude fomenta um cenário em que o meio político torna- se um reflexo da sociedade, de modo que age de maneira banal e corrupta, e gera, por exemplo, os recorrentes desvios de dinheiro público realizados no Brasil.


Esse hábito brasileiro também impacta em um direito básico garantido na Constituição Federal, promulgada em 1988. Isto porque cidadãos que têm uma melhor instrução educacional e boa estrutura financeiro-econômica se utilizam dos seus status sociais elevados para dar um "jeitinho", e burlar as leis, assim como descrito pelo antropólogo Roberto daMatta na sua obra literária “O que faz o Brasil, Brasil?”. Infringindo, assim, o artigo 5° que garante a igualdade de todos perante a lei, sem qualquer distinção.


Logo, são necessárias medidas para reverter essa problemática. Portanto, com objetivo de conscientizar a população brasileira acerca das consequências do jeitinho brasileiro, cabe ao Ministério da Cidadania discutir sobre esses impactos na sociedade, por meio de palestras e debates, especialmente nas instituições de ensino, visto que os estudantes são cidadãos em formação. Desse modo, as pequenas corrupções mostradas na obra de Ariano existirão apenas no cenário ficcional.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita, neste nível, são aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizam reincidência.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 195

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 170

Você atingiu aproximadamente 90% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, configurando autoria, ou seja, os argumentos selecionados estão organizados e relacionados de forma consistente com o ponto de vista defendido e com o tema proposto, configurando-se independência de pensamento e autoria.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 195

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante articula bem as ideias, os argumentos, as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos, sem inadequações.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante elabora excelente proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto. Trata-se de redação cuja proposta de intervenção seja muito bem elaborada, relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, abrangente e bem detalhada.

#41985
Bom dia :D

TEMA: JEITINHO BRASILEIRO, AS CONSEQUÊNCIAS DAS PEQUENAS CORRUPÇÕES NO DIA A DIA

Introdução
No longa-metragem brasileiro, baseado na peça "O Auto da Compadecida" de Ariano Suassuna, é mostrado o comportamento de Chicó e João Grilo, que, constantemente, obtêm vantagens em diversas situações. Estes acontecimentos, embora ficcionais, ocorrem em razão da utilização do "jeitinho brasileiro" -prática desonesta em que o indivíduo ignora regras e normas para se beneficiar-, que, infelizmente, é comum no Brasil. Sob tal ótica, é válido ressaltar as consequências desse ato nos âmbitos político e jurídico a fim de conscientizar a população, como também reverter esse cenário.

Sua introdução contém todos os elementos necessários, parabéns.

D1
As pequenas corrupções praticadas, diariamente, tornaram-se banais e se refletem, por exemplo, na atitude absurda dos representantes da população. Isto pode ser explicado pela filósofa alemã Hannah Arendt em seu conceito de "banalidade do mal", o qual analisa a importante participação de homens e mulheres "inocentes" no Nazismo, visto que deram o "consentimento" para que esse terrível fato histórico ocorresse, uma vez que "banalizaram" o mal contido nele.
Análogo a isso, no contexto atual, a sociedade brasileira tem tornado a "venda de votos" - algo ilegal -, cada vez mais banal, assim, ignorando as consequências negativas do mesmo. Essa atitude fomenta um cenário em que o meio político torna- se um reflexo da sociedade, de modo que age de maneira banal e corrupta, e gera, por exemplo, os recorrentes desvios de dinheiro público realizados no Brasil.

"...ignorando as consequências negativas do mesmo."

A forma mais correta é a palavra dele. Segundo os principais gramáticos e linguistas, o uso da palavra mesmo como substituto de um pronome pessoal deve ser evitado. Contudo, não se pode afirmar que tal uso é incorreto, apenas pobre e desnecessário. Assim, deve ser privilegiado o uso dos pronomes pessoais (ele, ela, dele, dela,...), não havendo qualquer substituição.
Fonte:https://duvidas.dicio.com.br/do-mesmo-ou-dele/

Seria interessante substituir por algo como: "...ignorando as consequências negativas dessa situação."

D2
Esse hábito brasileiro também impacta em um direito básico garantido na Constituição Federal, promulgada em 1988. Isto porque cidadãos que têm uma melhor instrução educacional e boa estrutura financeiro-econômica se utilizam dos seus status sociais elevados para dar um "jeitinho", e burlar as leis, assim como descrito pelo antropólogo Roberto daMatta na sua obra literária “O que faz o Brasil, Brasil?”. Infringindo, assim, o artigo 5° que garante a igualdade de todos perante a lei, sem qualquer distinção.

Na medida certa, parabéns. Muito boa a forma com que você conseguiu desenvolver suas ideias.


Proposta
Logo, são necessárias medidas para reverter essa problemática. Portanto, com objetivo de conscientizar a população brasileira (efeito/finalidade) acerca das consequências do jeitinho brasileiro, cabe ao Ministério da Cidadania (agente) discutir sobre esses impactos na sociedade (ação), por meio de palestras e debates(modo/meio), especialmente nas instituições de ensino, visto que os estudantes são cidadãos em formação (detalhamento). Desse modo, as pequenas corrupções mostradas na obra de Ariano existirão apenas no cenário ficcional.

Uma boa proposta, porém, seria bom pelo menos citar as questões políticas e jurídicas novamente para não prejudicar a C3.

Glenda:Descordo totalmente ! A partir do momento […]

Pedro9 , Para mensionar é [menton]Nome[/m[…]

A constituição de 1988 documento jur[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM