Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação mais de uma vez = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos como: "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
#35843
Conhecida por "cidadã", por ter sido concebida no processo de redemocratização, a Constituição Brasileira de 1988 garante direitos básicos e inalienáveis à população, em virtude disso, é incontestável analisar, que essa problemática tem prorrogado inúmeras consequências, como a luta pelo combate à violência opressora e a dificuldade no mercado de trabalho, em analogia a isso, percebe-se, na realidade vigente, os ideais da Magna Carta não são cumpridos.
Em primeiro lugar, convém ressaltar, de início que, a luta pelo combate à violência é fator determinante para permanência do problema. Sob essa ótica, é evidente destacar que as mulheres ainda vivem um período elitizado e opressor, isso pode ser explicado pela filósofa Hannah Arendt, a qual afirma que quando uma atitude agressiva ocorre constantemente as pessoas para de vê-lá como errada. Seguindo essa linha, observa-se no Sufrágio Universal, uma das principais bandeiras feministas no Brasil, que a mulher possui direto sobre seu próprio corpo e que mediante a isso, modificações importantes transformaram seu campo simbólico.
Em segundo lugar, é asciomático que a dificuldade no mercado de trabalho está entre as causas da persistência da questão, do ponto de vista jurídico e social, as mulheres durante muito tempo eram consideradas incapazes de exercer sua força, a princípio disso, é importante ressaltar que as mulheres, salvo exceções, eram excluídas tanto da atividade política quanto da filosofia, da arte e da intelectualidade. Ademais, é notório que empresas capitalistas ainda produz formas de discriminação a indivíduos de grupos sociais distintos, principalmente as mulheres. Segundo Jurgen Habermas, incluir não é só trazer para perto mas também respeitar e crescer junto com o outro. A frase do filósofo alemão mostra relação ao princípio da isonomia estabelecido no Código Cívil no ano de 2002, que propunha que homens e mulheres possuem direitos iguais.
Infere-se, portanto, que o Estado tome providências a respeito da problemática. Urge que o Governo Federal crie projetos de inclusão social por meio de verbas governamentais, com o intuito de favorecer empregos de forma igualitária para o desenvolvimento étnico e consumidor. Além disso, é preciso também que o Ministério da Mulher, juntamente com o Ministério da Cidadania façam campanhas por intermédio das redes sociais para conscientizar à população sobre a importância do direitos para à humanidade. Somente assim, será possível acabar com os desafios que atinge o público feminino e garantir aos cidadãos o direito de igualdade sem exceção.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

#37947
Helder escreveu:Conhecida por "cidadã", por ter sido concebida no processo de redemocratização, a Constituição Brasileira de 1988 garante direitos básicos e inalienáveis à população, em virtude disso, é incontestável analisar, que essa problemática tem prorrogado inúmeras consequências, como a luta pelo combate à violência opressora e a dificuldade no mercado de trabalho, em analogia a isso, percebe-se, na realidade vigente, os ideais da Magna Carta não são cumpridos.
Em primeiro lugar, convém ressaltar, de início que, a luta pelo combate à violência é fator determinante para permanência do problema. Sob essa ótica, é evidente destacar que as mulheres ainda vivem um período elitizado e opressor, isso pode ser explicado pela filósofa Hannah Arendt, a qual afirma que quando uma atitude agressiva ocorre constantemente as pessoas para de vê-lá como errada. Seguindo essa linha, observa-se no Sufrágio Universal, uma das principais bandeiras feministas no Brasil, que a mulher possui direto sobre seu próprio corpo e que mediante a isso, modificações importantes transformaram seu campo simbólico.
Em segundo lugar, é asciomático que a dificuldade no mercado de trabalho está entre as causas da persistência da questão, do ponto de vista jurídico e social, as mulheres durante muito tempo eram consideradas incapazes de exercer sua força, a princípio disso, é importante ressaltar que as mulheres, salvo exceções, eram excluídas tanto da atividade política quanto da filosofia, da arte e da intelectualidade. Ademais, é notório que empresas capitalistas ainda produz formas de discriminação a indivíduos de grupos sociais distintos, principalmente as mulheres. Segundo Jurgen Habermas, incluir não é só trazer para perto mas também respeitar e crescer junto com o outro. A frase do filósofo alemão mostra relação ao princípio da isonomia estabelecido no Código Cívil no ano de 2002, que propunha que homens e mulheres possuem direitos iguais.
Infere-se, portanto, que o Estado tome providências a respeito da problemática. Urge que o Governo Federal crie projetos de inclusão social por meio de verbas governamentais, com o intuito de favorecer empregos de forma igualitária para o desenvolvimento étnico e consumidor. Além disso, é preciso também que o Ministério da Mulher, juntamente com o Ministério da Cidadania façam campanhas por intermédio das redes sociais para conscientizar à população sobre a importância do direitos para à humanidade. Somente assim, será possível acabar com os desafios que atinge o público feminino e garantir aos cidadãos o direito de igualdade sem exceção.
Estética e Saúde

Aguardando correção ;)

Taissa19 , eu corrigi essa já, mas peguei […]

Assim como apresentado no grandioso filme da Disne[…]

Primeiramente com os avanços da tecnologia […]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM