Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação mais de uma vez = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos como: "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
Por Amidala
#39850
“Nós só percebemos a importância de nossa voz quando somos silenciados” disse Malala Yousfzai, uma ativista paquistanesa que levou um tiro em seu rosto quando tinha entre seus 11 e 12 anos de idade. Essa frase carrega consigo um impacto demonstrativo de como a conjuntura contemporânea costuma banalizar e, por conseguinte, esconder o verdadeiro dano de certas violências em suas vítimas. No entanto, nesse contexto, há como destacar a violência contra a mulher que, nos últimos tempos, tem se tornado uma prática recorrente assim como um assunto muito debatido.

Em primeiro plano, as ações violentas contra mulheres datam-se de uma coletânea de estigmas enraizados pelos primórdios de nossa sociedade. Na Idade Média, a mulher era vista como um mero objeto, sendo criada apenas para ser filha, esposa, dona de casa e mãe. Considerando isso, pode-se concluir que uma mulher não tinha os mesmos direitos civis de um homem como, por exemplo, o direito do voto ou de ter e expor as suas próprias opiniões. Tais ideais patriarcais só começaram a ser contraditados no século XIX com o surgimento do movimento feminista, que propagou e ainda propaga a luta pela igualdade de gêneros pelo mundo.

Dessa forma, podemos compreender que a imagem da mulher foi inferiorizada ao decorrer do tempo, servindo como um tipo de herança histórica. A sociedade, em sua maioria, ainda demonstra acreditar que a mulher é um ser fraco e dependente. Portanto, a problemática se encontra no fato de que esse pensamento abre portas para que as pessoas tratem as mulheres de acordo com o que se foi enraizado. E é válido ressaltar que muitas delas também acreditam nisso - geralmente inconscientemente. Um exemplo é como muitas delas acabando se encontrando em situações alarmantes de relacionamentos abusivos, onde são influenciadas a serem submissas à um parceiro ou uma parceira. Ademais, é de extrema importância citar outras situações causadas por esses ideias como o estupro, a pedofilia e o feminicídio.

Portanto, pode-se concluir que medidas são necessárias para resolver o impasse. Considerando o que a ativista Malala quis dizer em sua frase, é de suma importância que a população tenha compreensão e consiga se por no lugar das vítimas. Então, cabe ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, construir, por meio de verbas governamentais, programas de segurança mais eficazes e reforçar as leis para a defesa da mulher. Além disso, também é preciso que o governo trabalhe em conjunto com a escola e os meios de comunicação para a propagação da importância da igualdade de gênero. Só assim conseguiremos criar um sistema justo para todos.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Sua nota ficou 360! Espero ter ajudado! Ajudou […]

A propaganda se tornou uma porta de oportunidade i[…]

Promulgada em 1988, a constituição c[…]

Oii, tudo jóia? GlendaMorais e jherodri[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM