Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação mais de uma vez = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos de "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
#47747
É notório, após séculos de luta, que as mulheres são vítimas ainda, de uma sociedade machista e discriminatória. Todavia, não é de espanto para a sociedade a persistência da violência contra a mulher no Brasil, visto que, elas ainda são vistas como pertencentes ao "sexo frágil". Infelizmente, a violência contra a mulher continua a crescer no país, o que deve-se a falta de debates e a pressão psicológica, que a vítima está submetida.
Primeiramente, por mais que a tecnologia tenha ganhado força nos últimos séculos, o pensamento retrógrado de muitos sobre a mulher, continuam os mesmos. Contudo, a negligência de debates auxilia na perpetuação desses pensamentos. Para Habermas, a linguagem é a principal forma de ação. Ou seja, o uso da linguagem, a abordagem do tema nos debates ajuda para sua extinção, pois a mulher vítima de qualquer violência- seja ela física ou psicológica- terá conhecimento sobre seus direitos e as demais pessoas que presenciarem tais situações, saberão orientar a vítima e irão denunciar.
Em segundo plano, a pressão psicológica sofrida pela vítima, faz com que ela se mantenha calada, por medo na maioria das vezes, de que o agressor seja inocentado. Vale ressaltar que, a alguns anos o Brasil, possui a Lei Maria da Penha, que incrimina qualquer ato violento contra a mulher. Entretanto, o pouco tempo de reclusão que o agressor leva só aumenta o medo da vítima, já que após a saída dele da prisão ela não terá nenhuma proteção. Dessa forma, o medo do "pior" leva a vítima a suportar as agressões, enquanto isso, a violência contra a mulher, continua.
Portanto, medidas devem serem tomadas. Para isso, o Ministério da Educação, por meio das escolas públicas, poderia criar rodas de conversas que debaterem sobre a violência contra a mulher. Essas rodas, poderiam ocorrer no período extracurricular, contando com a participação de professores, ativistas feministas, alunos e a comunidade local, com finalidade de extinguir os pensamentos retrógrados que se tem sobre o papel da mulher na sociedade. Com isso, se inicia a construção de um país mais justo.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

De acordo com o filósofo Pitágoras, […]

A importância da leitura

É importante destacar de início que […]

Lally EscreverOnline Logo BuscarNova redaç&[…]

Evasão escolar

É de conhecimento geral que, em nosso pa&i[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM