• Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#65328
A Constituição Federal de 1988, documento jurídico mais importante no país, prevê em seu artigo 6°, o direito à moradia como inerente a todo cidadão brasileiro. Conquanto, tal prerrogativa não tem se reverberado com ênfase na prática quando se observa a questão fundiária no Brasil, dificultando, deste modo, a universalização desse direito tão importante. Sob esse aspecto, convém destacar as principais causas, consequências e possível medida para atenuar tal fenômeno.

Diante do exposto, deve-se ressaltar o desserviço estatal como um dos principais motivadores do problema. Nesse sentido, a ausência de medidas, políticas públicas e discursos governamentais voltados para essa questão faz com que esse cenário nefasto continue a perdurar. Essa conjuntura, segundo as ideias do filósofo contratualista John Locke, configura-se como uma violação do “contrato social”, já que o Estado não cumpre de forma efetiva sua função de garantir que os cidadãos desfrutem de direitos indispensáveis, como o acesso à terra, o que infelizmente é evidente no país.

Ademais, pode-se ressaltar os fatores desse revés. Segundo o portal de notícias G1, no Brasil há uma alta concentração de terras nas mãos de grandes fazendeiros e latifundiários. Com efeito, centenas de conflitos por disputa de terras ocorrem a cada ano, deixam dezenas de mortos e um quadro de violência explícito. Lê-se, portanto, como nociva a percepção de que, apenas da letra constitucional de 1988, o país encontra-se tão despreparado para lidar com esse doloroso desafio.

Depreende-se, portanto, a necessidade de eliminar esses obstáculos. Para isso, é imprescindível que o Estado – como agente fornecedor de direitos mínimos – implemente uma reforma agrária eficiente, consistente e justa, por meio de reuniões e discussões governamentais com o fito de eliminar as desigualdades sociais em todo território nacional e combater o impasse de forma precisa e democrática. Desse modo, assegurar-se-ão os direitos garantidos pela Carta Magna como uma realidade próxima e o problema poderá ser uma mazela passada na história brasileira.

@Ashiley
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita, neste nível, são aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizam reincidência.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 180

Você atingiu aproximadamente 90% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 140

Você atingiu aproximadamente 70% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, de forma organizada, com indícios de autoria, ou seja, os argumentos, embora ainda possam ser previsíveis, estão organizados e relacionados de forma consistente ao ponto de vista defendido e ao tema proposto, e há indícios de autoria.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 180

Você atingiu aproximadamente 90% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. O participante articula bem as ideias, os argumentos, as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos, sem inadequações.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante elabora excelente proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto. Trata-se de redação cuja proposta de intervenção seja muito bem elaborada, relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, abrangente e bem detalhada.

#65470
Boa tarde. Vou colocar aqui os pontos q eu acho q vc pode melhorar. Não sou uma expert do assunto, então talvez eu erre.

A Constituição Federal de 1988, documento jurídico mais importante no país, prevê em seu artigo 6°, o direito à moradia como inerente a todo cidadão brasileiro. Conquanto, tal prerrogativa não tem se reverberado com ênfase na prática quando se observa a questão fundiária no Brasil, dificultando, deste modo, a universalização desse direito tão importante. Sob esse aspecto, convém destacar as principais causas, consequências e possível medida para atenuar tal fenômeno. Ao meu ver, sua introdução está ótima.

(Faltou algum conectivo de introdução ou de relevância que ligue a sua oração ao parágrafo anterior)Diante do exposto, deve-se ressaltar o desserviço estatal como um dos principais motivadores do problema. Nesse sentido, a ausência de medidas, políticas públicas e discursos governamentais voltados para essa questão faz com que esse cenário nefasto continue a perdurar. Essa conjuntura, segundo as ideias do filósofo contratualista John Locke, configura-se como uma violação do “contrato social”, já que o Estado não cumpre de forma efetiva sua função de garantir que os cidadãos desfrutem de direitos indispensáveis, como o acesso à terra, o que infelizmente é evidente no país. Seu parágrafo está bom, porém na parte verde sugiro q vc coloque algum dado que corrobore com sua afirmação.

Ademais, pode-se ressaltar os fatores desse revés. Segundo o portal de notícias G1, no Brasil há uma alta concentração de terras nas mãos de grandes fazendeiros e latifundiários. Com efeito, centenas de conflitos por disputa de terras ocorrem a cada ano, deixam dezenas de mortos e um quadro de violência explícito. Lê-se, portanto, como nociva a percepção de que, apenas da letra constitucional de 1988, o país encontra-se tão despreparado para lidar com esse doloroso desafio. Esse parágrafo está bom, mas o desenvolva mais.

Depreende-se, portanto, a necessidade de eliminar esses obstáculos. Para isso, é imprescindível que o Estado (agente)como agente fornecedor de direitos mínimos(detalhamento)implemente uma reforma agrária eficiente, consistente e justa, por meio de reuniões e discussões governamentais(modo) com o fito de eliminar as desigualdades sociais em todo território nacional e combater o impasse de forma precisa e democrática. Desse modo, assegurar-se-ão os direitos garantidos pela Carta Magna como uma realidade próxima e o problema poderá ser uma mazela passada na história brasileira.(efeito).Sua conclusão está muito boa, só aconselho que vc use uma outra palavra ao invés de passada na parte amarela.

Espero ter ajudado. Não desista nem desanime, fazer redação é difícil, mas com o tempo e a prática fica mais fácil.
#65471
GabiNatali escreveu:Boa tarde. Vou colocar aqui os pontos q eu acho q vc pode melhorar. Não sou uma expert do assunto, então talvez eu erre.

A Constituição Federal de 1988, documento jurídico mais importante no país, prevê em seu artigo 6°, o direito à moradia como inerente a todo cidadão brasileiro. Conquanto, tal prerrogativa não tem se reverberado com ênfase na prática quando se observa a questão fundiária no Brasil, dificultando, deste modo, a universalização desse direito tão importante. Sob esse aspecto, convém destacar as principais causas, consequências e possível medida para atenuar tal fenômeno. Ao meu ver, sua introdução está ótima.

(Faltou algum conectivo de introdução ou de relevância que ligue a sua oração ao parágrafo anterior)Diante do exposto, deve-se ressaltar o desserviço estatal como um dos principais motivadores do problema. Nesse sentido, a ausência de medidas, políticas públicas e discursos governamentais voltados para essa questão faz com que esse cenário nefasto continue a perdurar. Essa conjuntura, segundo as ideias do filósofo contratualista John Locke, configura-se como uma violação do “contrato social”, já que o Estado não cumpre de forma efetiva sua função de garantir que os cidadãos desfrutem de direitos indispensáveis, como o acesso à terra, o que infelizmente é evidente no país. Seu parágrafo está bom, porém na parte verde sugiro q vc coloque algum dado que corrobore com sua afirmação.

Ademais, pode-se ressaltar os fatores desse revés. Segundo o portal de notícias G1, no Brasil há uma alta concentração de terras nas mãos de grandes fazendeiros e latifundiários. Com efeito, centenas de conflitos por disputa de terras ocorrem a cada ano, deixam dezenas de mortos e um quadro de violência explícito. Lê-se, portanto, como nociva a percepção de que, apenas da letra constitucional de 1988, o país encontra-se tão despreparado para lidar com esse doloroso desafio. Esse parágrafo está bom, mas o desenvolva mais.

Depreende-se, portanto, a necessidade de eliminar esses obstáculos. Para isso, é imprescindível que o Estado (agente)como agente fornecedor de direitos mínimos(detalhamento)implemente uma reforma agrária eficiente, consistente e justa, por meio de reuniões e discussões governamentais(modo) com o fito de eliminar as desigualdades sociais em todo território nacional e combater o impasse de forma precisa e democrática. Desse modo, assegurar-se-ão os direitos garantidos pela Carta Magna como uma realidade próxima e o problema poderá ser uma mazela passada na história brasileira.(efeito).Sua conclusão está muito boa, só aconselho que vc use uma outra palavra ao invés de passada na parte amarela.

Espero ter ajudado. Não desista nem desanime, fazer redação é difícil, mas com o tempo e a prática fica mais fácil.
Relendo o texto para dar sua pontuação, percebi que vc precisa desenvolver um pouco mais sua tese na introdução.
#66664
@luansouza, oi!

Introdução
A Constituição Federal de 1988, documento jurídico mais importante no país, prevê em seu artigo 6°, o direito à moradia como inerente a todo cidadão brasileiro. Conquanto, tal prerrogativa não tem se reverberado com ênfase na prática quando se observa a questão fundiária no Brasil, dificultando, deste modo, a universalização desse direito tão importante. Sob esse aspecto, convém destacar as principais causas, consequências e possível medida para atenuar tal fenômeno (aqui eu mudaria para "convém destacar a principal causa e consequência" ou "as possíveis causas" ou ainda, "as possíveis consequências". Isso porque não dá para falar de causas (ao menos duas) e nem consequências (ao menos duas) ao mesmo tempo, já que seriam 4 coisas. Precisa modificar isso.)
*Boa introdução, mas aconselho a citar especificamente quais as causas ou consequências que você vai abordar, pois assim demonstra projeto de texto!


Desenvolvimento 1
Diante do exposto, deve-se ressaltar o desserviço estatal como um dos principais motivadores do problema. Nesse sentido, a ausência de medidas, políticas públicas e discursos governamentais voltados para essa questão faz com que esse cenário nefasto continue a perdurar. Essa conjuntura, segundo as ideias do filósofo contratualista John Locke, configura-se como uma violação do “contrato social”, já que o Estado não cumpre de forma efetiva sua função de garantir que os cidadãos desfrutem de direitos indispensáveis, como o acesso à terra, o que infelizmente é evidente no país.
*Bom desenvolvimento, mas aconselho a inserir o repertório não no meio, mas sim após o tópico frasal. Fica mais organizado!

Desenvolvimento 2
Ademais, pode-se ressaltar os fatores desse revés (Que fatores? Deixe explícito). Segundo o portal de notícias G1, no Brasil há uma alta concentração de terras nas mãos de grandes fazendeiros e latifundiários. Com efeito, centenas de conflitos por disputa de terras ocorrem a cada ano, deixam (deixando) dezenas de mortos e um quadro de violência explícito. Lê-se, portanto, como nociva a percepção de que, apenas da letra constitucional de 1988, o país encontra-se tão despreparado para lidar com esse doloroso desafio.
*Bom também, mas esse trecho final ficou um pouco confuso.

Conclusão
Depreende-se, portanto, a necessidade de eliminar esses obstáculos. Para isso, é imprescindível que o Estado (agente) – como agente fornecedor de direitos mínimos (detalhamento) – implemente uma reforma agrária eficiente, consistente e justa (ação), por meio de reuniões e discussões governamentais (meio) com o fito de eliminar as desigualdades sociais em todo território nacional e combater o impasse de forma precisa e democrática (efeito). Desse modo, assegurar-se-ão os direitos garantidos pela Carta Magna como uma realidade próxima e o problema poderá ser uma mazela passada na história brasileira.
*Proposta completa.

Bom texto, mas se atente às observações. Espero ter ajudado! :)

vc escreve muito bem parabéns!! eu achei d[…]

O ABANDONO E A EVASÃO ESCOLAR NO BRASIL////[…]

jherodrigues quando tiver tempo se puder corrigir[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM