Avatar do usuário
Por alucriativo
Quantidade de postagens
#128997
Em 1988, Ulysses Guimarães, seguindo uma ideologia de progresso e igualdade, promulgou a Constituição federal, estabelecendo que todo cidadão brasileiro deveria ter pleno direito à igualdade. No Brasil atual, entretanto, tal garantia, muitas vezes, não é assegurada, já que o reconhecimento para tais mulheres não é normalizado, sob esse aspecto, a fim de mitigar essa problemática, convém averiguar o descaso governamental e à elitização do ensino, que têm sido identificados como algumas das principais causas e consequências desse impasse.

A princípio, sobre esse assunto, vale ressaltar a importância de um Estado ativo na resolução de questões sociais. Dessa forma, para o filósofo polonês Zygmunt Bauman, uma instituição, quando posicionada para ignorar sua função original, é considerada em um estado de "zumbi". Sob esse viés, o Estado brasileiro é análogo a esse conceito, visto que, no que tange à valorização e proteção dessas comunidades, ele é ausente. Isso posto, tal postura negligente contribui para que os povos tradicionais não recebam o amparo estatal necessário, colocando em risco anos de história, de resistência e de memória de uma parcela fundamental da sociedade.

Ademais, é nítido que as dificuldades de promover um verdadeiro reconhecimento e valorização das comunidades tradicionais ascendem à medida que raízes preconceituosas são mantidas. De fato, com base nos estudos da filósofa Sueli Carneiro, é perceptível a existência de um "Epistemicídio Brasileiro" na sociedade atual; ou seja, há uma negação da cultura e dos saberes de grupos subalternizados, a qual é ainda mais reforçada por setores midiáticos. Em outras palavras, apesar da complexidade de cultura dos povos tradicionais; o Brasil assume contornos monoculturais, uma vez que inferioriza e "sepulta" os saberes de tais grupos, cujas relações e produções, baseadas na relação harmônica com a natureza, destoam do modo ocidental, capitalista e elitista. Logo, devido a um notório preconceito, os indivíduos tradicionais permanecem excluídos socialmente e com seus direitos negligenciados.

Conclui-se, portanto, que, primordialmente, a sociedade civil organizada exija do estado, por meio de protesto, o reconhecimento de tais mulheres. Desse modo, cabe ao poder judiciário fiscalizar o cumprimento das leis e as ONGS a criação de visibilidade, por meio de grupos ou a propagação, com o intuito de abolir a negligência dessas mulheres para o desenvolvimento pleno da sociedade.
NOTA GERAL (USUÁRIOS)
Sem
nota
Pontuar redação
NOTA AUTOMÁTICA (IA)
Sem
nota
Passe ilimitado
Comentários
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 1: Demonstrar domínio da norma da língua escrita.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
Texto não corrigido.
Similar Topics
Tópicos Estatísticas Última mensagem
0 Respostas 
160 Exibições
por Babidi
5 Respostas 
331 Exibições
por Evely190301
0 Respostas 
144 Exibições
por Original
0 Respostas 
118 Exibições
por rafaella03
4 Respostas 
625 Exibições
por baja
5 Respostas 
554 Exibições
por pio10
0 Respostas 
104 Exibições
por lemuelevi
2 Respostas 
196 Exibições
por Peverton
0 Respostas 
370 Exibições
por joycekelly88
0 Respostas 
109 Exibições
por Emillycostav

Segundo o empresário estadunidense Steve Jobs: &qu[…]

O livro "Utopia", do escritor inglês Tho[…]

A lei seca foi implementada com o intuito de evita[…]

EXCLUIR REDAÇÃO!!!

Você poderia excluir a minha primeira redação de &[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!