• Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#84925
escritora Djamila Ribeiro defende que é preciso tirar uma situação da invisibilidade para que soluções sejam promovidas. No entanto, não é o que acontece na temática do suicídio entre os jovens brasileiros, já que a maioria da população trata esse assunto com um extremo descaso, acarretando a inação do povo brasílico . Nesse sentido, observa-se um delicado problema, que tem como causas a má formação familiar e a falta de pertencimento.

Dessa forma, em primeira análise, é evidente a postura inadequada da família na problemática. Sob esse viés, o psicólogo Lev Vygotsky explica que a pessoa é formada pelo meio em que está inserida. Nessa perspectiva, é notória a lacuna de referência na questão do suicídio dos jovens brasileiros, uma vez que a maior parte dos responsáveis pela criação dos indivíduos encontra-se ausente na juventude dos seus tutelados, o que gera adolescentes sem a preparação para enfrentarem as crises emocionais e, assim, aumenta a probabilidade de tirarem a própria vida. Logo, urge reverter esse quadro lastimável.

Em paralelo, o sentimento de incompatibilidade é um desafio presente nesse impasse .À vista disso, o sociólogo Zygmunt Bauman acredita que o ser humano está sempre buscando se encaixar nos padrões societários. Porém, é visível a irrepresentatividade de alguns jovens na situação do suicídio, visto que a grande parcela dos brasileiros não se sente pertencente às convenções sociais, o que corrobora o comportamento de isolamento nas atividades coletivas e eleva os casos de depressão .Destarte, representar a comunidade inteira é urgente.

Portanto, é indispensável intervir sobre esse imbróglio. Para isso, o Governo Federal deve investir em palestras, por meio do Ministério da Educação, a fim de ensinar aos pais o melhor método de ensino para a formação pessoal de seus filhos. Tais apresentações podem, ainda, contar com a participação de psicólogos para explicarem o tema. Paralelamente, os canais midiáticos precisam criar um documentário sobre jovens que se sentem desamparados socialmente no intuito de gerar uma identificação com o público. Dessa maneira, o Brasil poderá colocar em ação o princípio de Djamila Ribeiro e promover soluções para esse empecilho.
0
#84930
Bom dia, tudo bem? Espero que sim!😸👏

— após ler sua redação conclui que ela está muito bem escrita e organizada, você destaca pontos muito importantes sobre o tema e desenvolve eles de maneira clara. Então, parabéns pelo seu texto, está incrível!

🌟》Apenas deixo algumas dicas para seu próximo texto.

▪️Ao invés de "má formação" eu colocaria "Despreparo familiar", para destacar a falta de estratégias—no que tange em ajudar os adolescentes à enfrentarem esse problema.

▪️ De início "a falta de pertencimento" na introdução poderia ser mais específica, para não se tornar algo genérico.

▪️Cuidado Geraldo, evite utilizar conectivos semelhantes, como o "em paralelo" no D2 e "paralelamente" na conclusão.
1
#84931
leo1418 escreveu:escritora Djamila Ribeiro defende que é preciso tirar uma situação da invisibilidade para que soluções sejam promovidas. No entanto, não é o que acontece na temática do suicídio entre os jovens brasileiros, já que a maioria da população trata esse assunto com um extremo descaso, acarretando a inação do povo brasílico . Nesse sentido, observa-se um delicado problema, que tem como causas a má formação familiar e a falta de pertencimento.

Dessa forma, em primeira análise, é evidente a postura inadequada da família na problemática. Sob esse viés, o psicólogo Lev Vygotsky explica que a pessoa é formada pelo meio em que está inserida. Nessa perspectiva, é notória a lacuna de referência na questão do suicídio dos jovens brasileiros, uma vez que a maior parte dos responsáveis pela criação dos indivíduos encontra-se ausente na juventude dos seus tutelados, o que gera adolescentes sem a preparação para enfrentarem as crises emocionais e, assim, aumenta a probabilidade de tirarem a própria vida. Logo, urge reverter esse quadro lastimável.

Em paralelo, o sentimento de incompatibilidade é um desafio presente nesse impasse .À vista disso, o sociólogo Zygmunt Bauman acredita que o ser humano está sempre buscando se encaixar nos padrões societários. Porém, é visível a irrepresentatividade de alguns jovens na situação do suicídio, visto que a grande parcela dos brasileiros não se sente pertencente às convenções sociais, o que corrobora o comportamento de isolamento nas atividades coletivas e eleva os casos de depressão .Destarte, representar a comunidade inteira é urgente.

Portanto, é indispensável intervir sobre esse imbróglio. Para isso, o Governo Federal deve investir em palestras, por meio do Ministério da Educação, a fim de ensinar aos pais o melhor método de ensino para a formação pessoal de seus filhos. Tais apresentações podem, ainda, contar com a participação de psicólogos para explicarem o tema. Paralelamente, os canais midiáticos precisam criar um documentário sobre jovens que se sentem desamparados socialmente no intuito de gerar uma identificação com o público. Dessa maneira, o Brasil poderá colocar em ação o princípio de Djamila Ribeiro e promover soluções para esse empecilho.
Muito obrigado pela sua correção! :)
Acho que governo federal é escrito em minúscula mesmo mano...

O impossível é somente um limite estabelecido pelas nossas próprias mentes! :)
0
#84932
EmillyySilva escreveu:Bom dia, tudo bem? Espero que sim!😸👏

— após ler sua redação conclui que ela está muito bem escrita e organizada, você destaca pontos muito importantes sobre o tema e desenvolve eles de maneira clara. Então, parabéns pelo seu texto, está incrível!

🌟》Apenas deixo algumas dicas para seu próximo texto.

▪️Ao invés de "má formação" eu colocaria "Despreparo familiar", para destacar a falta de estratégias—no que tange em ajudar os adolescentes à enfrentarem esse problema.

▪️ De início "a falta de pertencimento" na introdução poderia ser mais específica, para não se tornar algo genérico.

▪️Cuidado Geraldo, evite utilizar conectivos semelhantes, como o "em paralelo" no D2 e "paralelamente" na conclusão.
Muito obrigado pré-cambriana! S2KKKKKKKKKK

O impossível é somente um limite estabelecido pelas nossas próprias mentes! :)
0
#84957
Mylike escreveu:
leo1418 escreveu:escritora Djamila Ribeiro defende que é preciso tirar uma situação da invisibilidade para que soluções sejam promovidas. No entanto, não é o que acontece na temática do suicídio entre os jovens brasileiros, já que a maioria da população trata esse assunto com um extremo descaso, acarretando a inação do povo brasílico . Nesse sentido, observa-se um delicado problema, que tem como causas a má formação familiar e a falta de pertencimento.

Dessa forma, em primeira análise, é evidente a postura inadequada da família na problemática. Sob esse viés, o psicólogo Lev Vygotsky explica que a pessoa é formada pelo meio em que está inserida. Nessa perspectiva, é notória a lacuna de referência na questão do suicídio dos jovens brasileiros, uma vez que a maior parte dos responsáveis pela criação dos indivíduos encontra-se ausente na juventude dos seus tutelados, o que gera adolescentes sem a preparação para enfrentarem as crises emocionais e, assim, aumenta a probabilidade de tirarem a própria vida. Logo, urge reverter esse quadro lastimável.

Em paralelo, o sentimento de incompatibilidade é um desafio presente nesse impasse .À vista disso, o sociólogo Zygmunt Bauman acredita que o ser humano está sempre buscando se encaixar nos padrões societários. Porém, é visível a irrepresentatividade de alguns jovens na situação do suicídio, visto que a grande parcela dos brasileiros não se sente pertencente às convenções sociais, o que corrobora o comportamento de isolamento nas atividades coletivas e eleva os casos de depressão .Destarte, representar a comunidade inteira é urgente.

Portanto, é indispensável intervir sobre esse imbróglio. Para isso, o Governo Federal deve investir em palestras, por meio do Ministério da Educação, a fim de ensinar aos pais o melhor método de ensino para a formação pessoal de seus filhos. Tais apresentações podem, ainda, contar com a participação de psicólogos para explicarem o tema. Paralelamente, os canais midiáticos precisam criar um documentário sobre jovens que se sentem desamparados socialmente no intuito de gerar uma identificação com o público. Dessa maneira, o Brasil poderá colocar em ação o princípio de Djamila Ribeiro e promover soluções para esse empecilho.
Muito obrigado pela sua correção! :)
Acho que governo federal é escrito em minúscula mesmo mano...
Fala, tudo bem? Acho q só governo fica c minúscula msm, mas Governo Federal, acho que fica maiúscula
0

bom dia, Marina li seu texto e minhas observa&cce[…]

Desconsiderando a pandemia, é evidente o au[…]

Sustentabilidade ambiental

Segundo o trecho presente no diário publica[…]

anasilva1

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM