• Avatar do usuário
#82450
No livro "Depois a louca sou eu", de Tati Bernadi, é retratado o dia-a-dia da protagonista, portadora de diversas condições psiquiátricas, escancarando o preconceito que as pessoas desse grupo sofrem. Paralelamente, essa triste realidade está presente em nosso meio civil. Seja causada pelo preconceito enraizado em nossa sociedade, ou pela falta de políticas ligadas à inclusão desses cidadãos nós âmbitos sociais. Tendo isso em vista, urge-se pela análise do impasse a fim de solucionar a problemática.
Em primeira vista, é importante reconhecer que a sociedade brasileira foi construída sobre um viés segregacionista, onde a dificuldade do homem em conviver com o diferente está presente em nossa história desde a chegada dos portugueses na terra do pau-brasil. Onde esse desprezo pode ser observado no livro "Passarinha", de Kathyn Erskine, em que a personagem Kate acaba por ser excluída do convívio com os demais colegas por ter TDAH. Tornando verdadeiro o que dizia Albert Einstein: "É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito."
Em segunda análise, vale ressaltar que a igualdade é um direito universal disposto na Constituição Federal de 1988, todavia, a falha do Estado em promover o que consta em nossa Carta Magna escancara o triste cenário vivenciado por portadores de doenças mentais. É o que corrobora a pesquisa feita pela OMS, em 2017, onde a depressão é a 2° maior causa de abandono do trabalho no mundo. Contrariando o que dizia o filósofo grego Aristóteles: "A base da sociedade é a justiça."
Sendo assim, cabe ao Ministério da Saúde e governos estaduais, juntamente com plataformas disseminadoras de informação, como Google e Facebook, superar a problemática. Através da propagação de informações feitas por profissionais qualificados, analisando dados estáticos, por meio de publicações em mídias sociais, seminários em escolas e debates com o público. De modo a gerar um convencimento social e conscientizar a população sobre os obstáculos em torno do tema. Assim, será possível usufruir do fim do estigma associado às doenças mentais no Brasil.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

O País brasileiro atualmente é consi[…]

No livro o ceifador, o odiado vilão, Goddar[…]

A constituição federal de 1988, prev[…]

Invisibilidade e registro civil

A despeito de todo progresso científico e h[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM