Página 1 de 1

O apagamento feminino na arte e o machismo estrutural nos espaços artísticos

Enviado: 18 Mai 2022, 21:08
por raullS2
A escritora britânica Virgínia Woolf um dia afirmou que "pela maior parte da História, 'anônimo' foi uma mulher". Essa frase retrata o apagamento das mulheres na literatura e na arte, e inspira a luta para a representatividade dentro dos espaços artísticos do Brasil e do mundo. Existem diversos grupos feministas que visam alcançar sua devida valorização nas artes, mas os números mostram um fato: no renomado Museu Metropolitano de Nova Iorque, por exemplo, apenas 5% dos artistas presentes na seção de arte moderna são mulheres, ou seja, a igualdade nesses espaços ainda não foi alcançada.

O âmbito da arte é dominado por homens, que predominantemente propagam ideias de machismo e heteronormatividade. Como resultado, os produtos artísticos produzidos pela mulher não têm devido reconhecimento e apreciação pois não se encaixam. "Estou tão cansada de correr o mais rápido que posso, pensando que chegaria lá mais rápido se fosse um homem, e estou cansada deles vindo atrás de mim novamente..." Esse trecho da música "The Man", da cantora e compositora estadunidense Taylor Swift mostra o despeito da artista em razão das injustiças da indústria artística musical, onde mulheres precisam de um esforço muito maior para alcançar o sucesso e a fama, além de serem constantemente hostilizadas pela mídia.

Outras complicações vêm da sexualização dos corpos femininos. A visão tradicional masculina vê a mulher como um objeto de caráter sexual, desconsiderando sua personalidade e qualificação, e essa ideia retrógrada é presente nos espaços artísticos: de acordo com algumas estatísticas do Museu de Arte de São Paulo, a porcentagem de artistas mulheres do acervo é de apenas 6%, porém, 60% das exposições nus são de corpos femininos. Essa valorização da mulher na arte vinda apenas quando seu corpo é exposto atrapalha diretamente a busca por igualdade nessa área.

Desse modo, são necessárias formas de mitigar a desvalorização da arte feminina no Brasil. Por isso, o Ministério da Cultura, em parceria com instituições artísticas e organizações feministas, devem desenvolver projetos com o objetivo de trazer reconhecimento as obras feita por mulheres, investindo na divulgação destas e combatendo os ideais machistas que persistem no âmbito artístico, assim levando maior admiração a arte feminina dentro do país.