Avatar do usuário
Por lais458
Quantidade de postagens
#128409
A Constituição de 1823 estabeleceu que os indivíduos precisavam de uma renda mínima para se elegerem para o poder político, restringindo o voto apenas àqueles que possuíam certo nível de renda, medida pela quantidade de farinha de mandioca. Diante desse contexto, a realidade brasileira reflete essas perspectivas, com um alto índice de hostilidade contra pessoas que vivem na rua, privando-as do direito de participar da assembleia constituinte. Nesse sentido, é imprescindível examinar as causas dessa conjuntura alarmante: a aporofobia e a desigualdade social.
Inicialmente, é válido ressaltar que a discriminação reflete uma falta de compaixão e empatia aos mais vulneráveis da sociedade. Diante dessa conjuntura, o assassinato do "índio Galdino" é um trágico episódio da história do Brasil que ilustra a violência e o preconceito. Em paralelo, tal crime ocorreu quando Galdino, incapaz de chegar à sua hospedagem, adormeceu em um ponto de ônibus e jovens atearam fogo em seu corpo, levando-o à morte. De maneira análoga, pessoas em situação de rua enfrentam agressões físicas, assaltos e até mesmo assassinatos nas ruas, devido à falta de proteção e à vulnerabilidade em que vivem. Entretanto, tanto o pajé quanto a população em situação de vulnerabilidade são frequentemente alvo de estereótipos negativos, muitas vezes sendo tratados com desdém e indiferença, negando a eles seus direitos básicos. Por conseguinte, tais medidas não podem ser realizadas de forma bruta, colocando a vida do cidadão em perigo.
Além disso, é válido ressaltar que a desigualdade está relacionada à exclusão social, por meio de uma arquitetura hostil no Brasil. Seguindo essa linha de raciocínio, uma parcela significativa da população, caracterizada por "sem-teto" e pessoas de baixa renda, é excluída e desprovida de suas garantias, como afirma o Conceito de Minoria, de Marshall. Nessa perspectiva, torna-se evidente a dificuldade que grupos marginalizados da sociedade têm em garantir seus direitos como cidadãos, contrariando o artigo 6º da Constituição Federal, que declara o direito de moradia e vida digna a todo e qualquer cidadão do país. Como resultado, os moradores fragilizados são impedidos de permanecer em ambientes públicos, sendo barrados por elementos como pedras ou até mesmo objetos perfurantes, a fim de desencorajá-los a se acomodar e forçá-los a deixar o local, contribuindo para a invisibilidade dos habitantes em circunstância de rua. Desse modo, fica evidente a alarmante necessidade de mudança, tanto em âmbito social quanto governamental, no Brasil.
Portanto, é fundamental buscar alternativas para minimizar o obstáculo fortemente presente na nação brasileira. Para isso, o Ministério da Justiça, por meio da Câmara federal, deve criminalizar os casos de aporofobia na sociedade. Dessa forma, tal medida oferecerá proteção legal às vítimas e garantirá que elas tenham meios de buscar reparação por danos sofridos devido à discriminação baseada em sua condição de moradia. Ademais, o Governo Federal tem que fortalecer seus programas de habitação social, apoio ao emprego e implementar medidas para prevenir a falta de moradia. Com essas ações, espera-se que a conjuntura das pessoas em situação de rua seja gradualmente melhorada.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita, ou seja, apresenta um texto com boa estrutura sintática, com poucos desvios de pontuação, de grafia e de emprego do registro exigido.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, de forma organizada, com indícios de autoria, ou seja, os argumentos, embora ainda possam ser previsíveis, estão organizados e relacionados de forma consistente ao ponto de vista defendido e ao tema proposto, e há indícios de autoria.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante elabora excelente proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto. Trata-se de redação cuja proposta de intervenção seja muito bem elaborada, relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, abrangente e bem detalhada.

Avatar do usuário
Por Felipe082
Tempo de Registro Quantidade de postagens Amigos Colecionador Doações
#128435
Oi, @lais458. Vou fazer uma breve correção.


A Constituição de 1823 estabeleceu que os indivíduos precisavam de uma renda mínima para se elegerem para o poder político, restringindo o voto apenas àqueles que possuíam certo nível de renda, medida pela quantidade de farinha de mandioca. Diante desse contexto, a realidade brasileira reflete essas perspectivas (a relação entre o repertório e o tema poderia ser fortalecida; ainda assim, sabendo que o ENEM não é muito criterioso a esse respeito, vou considerá-lo produtivo), com um alto índice de hostilidade contra pessoas que vivem na rua, privando-as do direito de participar da assembleia constituinte (reveja o uso do conceito de "assembleia constituinte"). Nesse sentido, é imprescindível examinar as causas dessa conjuntura alarmante: a aporofobia e a desigualdade social. (ótima introdução)
Inicialmente, é válido ressaltar que a discriminação reflete uma falta de compaixão e empatia aos compaixão pelos (atente-se à regência: o substantivo "empatia" exige a preposição "com", e o substantivo "compaixão" aceita "por", "de" e "para com") mais vulneráveis da sociedade. Diante dessa conjuntura, o assassinato do "índio Galdino" é um trágico episódio da história do Brasil que ilustra a violência e o preconceito. Em paralelo (não entendi o uso desse conectivo; parece-me inadequado nesse caso), tal crime ocorreu quando Galdino, incapaz de chegar à sua hospedagem, adormeceu em um ponto de ônibus e jovens atearam fogo em seu corpo, levando-o à morte (tendo em vista que Galdino não morava na rua, não considero o repertório pertinente). De maneira análoga, pessoas em situação de rua enfrentam agressões físicas, assaltos e até mesmo assassinatos nas ruas, devido à falta de proteção e à vulnerabilidade em que vivem. Entretanto, tanto o pajé quanto a população em situação de vulnerabilidade são frequentemente alvo de estereótipos negativos, muitas vezes sendo tratados com desdém e indiferença, negando-se a eles seus direitos básicos. Por conseguinte (não vejo, aqui, uma relação semântica de consequência), tais medidas não podem ser realizadas de forma bruta, colocando a vida do cidadão em perigo. (você não desenvolveu explicitamente o conceito de "aporofobia", ponto fundamental da sua argumentação que foi antecipado na introdução)
Além disso, é válido ressaltar que a desigualdade está relacionada à exclusão social, por meio de uma arquitetura hostil no Brasil. Seguindo essa linha de raciocínio, uma parcela significativa da população, caracterizada por "sem-teto" e pessoas de baixa renda, é excluída e desprovida de suas garantias, como afirma o Conceito de Minoria, de Marshall (explique brevemente o conceito). Nessa perspectiva, torna-se evidente a dificuldade que grupos marginalizados da sociedade têm em garantir seus direitos como cidadãos, contrariando o artigo 6º da Constituição Federal, que declara o direito de moradia e vida digna como inerente (se não me engano, o verbo "declarar" aceita a preposição "como", mas não a preposição "a", em seu objeto indireto: https://www.dicio.com.br/declarar/) a todo e qualquer cidadão do país. Como resultado, os moradores fragilizados são impedidos de permanecer em ambientes públicos, sendo barrados por elementos como pedras ou até mesmo objetos perfurantes, a fim de desencorajá-los a se acomodar e forçá-los a deixar o local, contribuindo para a invisibilidade dos habitantes em circunstância de rua. Desse modo, fica evidente a alarmante necessidade de mudança, tanto em âmbito social quanto governamental, no Brasil. (boa argumentação)
Portanto, é fundamental buscar alternativas para minimizar o obstáculo, fortemente presente na nação brasileira. Para isso, o Ministério da Justiça, por meio da Câmara federal (essa nomenclatura não é usual, mas acredito que esteja correta), deve criminalizar os casos de aporofobia na sociedade. Dessa forma (não vejo, aqui, uma relação semântica de conclusão), tal medida oferecerá proteção legal às vítimas e garantirá que elas tenham meios de buscar reparação por danos sofridos devido à discriminação baseada em sua condição de moradia. Ademais, o Governo Federal tem que de fortalecer seus programas de habitação social, apoio social e apoio ao emprego e implementar medidas para prevenir a falta de moradia. Com essas ações, espera-se que a conjuntura das pessoas em situação de rua seja gradualmente melhorada (detalhamento por efeito do efeito de ambas as propostas; a primeiras está completa).

C1 - 160. Há poucos desvios. Parabéns pelo texto bem escrito!
C2 - 200. Parabéns!
C3 - 160. Há algumas lacunas argumentativas e uma falha significativa no projeto de texto: a omissão do conceito de "aporofobia" no D1 - na introdução, você havia "prometido" desenvolvê-lo.
C4 - 160. Há inadequações no uso de recursos coesivos.
C5 - 200. Parabéns!

Total - 880

Qualquer dúvida, estou à disposição ;)
0
Similar Topics
Tópicos Estatísticas Última mensagem
0 Respostas 
182 Exibições
por ana2100
0 Respostas 
98 Exibições
por ana2100
0 Respostas 
86 Exibições
por Igor27
0 Respostas 
117 Exibições
por Faelzinho
0 Respostas 
85 Exibições
por juliaca18
Pessoas em situações de rua
por Raquel132    - In: Outros temas
0 Respostas 
87 Exibições
por Raquel132
0 Respostas 
388 Exibições
por thechain
0 Respostas 
119 Exibições
por Faelzinho
0 Respostas 
322 Exibições
por isadbertoli
0 Respostas 
141 Exibições
por Maluuuszz

Segundo o Art.205 da Constituição Fe[…]

Zenebra vc poderia corrigir minha redaç&[…]

:D Olá, poderia de fazer um sugestã[…]

Segundo a Constituição Federal do Br[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM