Avatar do usuário
Por francis
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#2681
descomplica.com.br escreveu:

“A médio prazo iremos todos enlouquecer, se passarmos a ver no outro uma possibilidade de morte”. A frase é de Caio Fernando Abreu, importante escritor brasileiro que, morto pela aids, refletiu em muitas de suas crônicas sobre o sentimento causado pela possível contaminação do vírus na juventude de sua época. De fato, durante muito tempo, o HIV assustou grande parcela da população mundial; hoje, porém, muito por desconhecerem essa época ou verem garantia em métodos de tratamento modernos, os jovens não parecem mais ter tanto medo da transmissão, que cresce e é perigosa. A fim de resolver esse problema, é necessário, então, entender melhor suas causas e tratá-las na raiz.

Em primeiro lugar, é importante perceber que o fato de a sociedade não falar abertamente sobre a aids, atualmente, gera consequências nocivas à saúde coletiva. Isso porque a falta de divulgação de casos, meios de transmissão e, principalmente, tratamentos torna a doença, de certa forma, menos importante e a deixa fora da preocupação dos jovens. Ao afirmar que o vírus “não se pega só no Carnaval”, o presidente do Fórum de ONGs Aids, Rodrigo Pinheiro, mostra que a campanha precisa ser diária, chamando as pessoas ao debate e, principalmente, mostrando as consequências de relações sexuais sem qualquer prevenção.

Convém destacar, também, a segurança passada pela diversidade e modernidade dos tratamentos, o que, de certa maneira, tranquiliza a juventude e estimula o pouco cuidado com a transmissão. O fato de os avanços científicos terem proporcionado uma qualidade de vida maior aos indivíduos portadores do vírus ameniza os perigos da aids e, na sociedade de hoje, ofusca a cura ainda impossível. Poder conviver com a doença, para os jovens, é um sinal de que as consequências se tornaram comuns, o que banaliza uma enfermidade que não é crônica como as outras, mas que mata e precisa ser evitada.

Torna-se evidente, então, que a questão da aids, hoje, apesar de parecer controlável para os jovens, é perigosa e deve ser divulgada quanto a isso. Primeiramente, a mídia, grande difusora de informações, pode trabalhar campanhas com relação à divulgação de tratamentos e, principalmente, meios de transmissão do vírus durante todo o ano. O governo, em parceria com as escolas, poderia criar programas de conscientização e implantar disciplinas de educação sexual que, em seus programas, discutissem a questão da doença. As ONGs, por fim, podem pressionar os outros três agentes para que mantenham o alerta sobre os perigos da aids diariamente, de forma que, em pouco tempo, não enlouqueçamos mais, mas, na verdade, cuidemos de algo que, a curto prazo, não enlouqueça o homem e o mantenha vivo.

Experimente corrigir uma redação para ver como você aprenderá MUITO mais...
Similar Topics
Tópicos Estatísticas Última mensagem
1 Respostas 
32 Exibições
por Felpz
+1000 REPERTÓRIOS PARA O ENEM 2023
por Katsmoking    - In: Grupo de Estudos
1 Respostas 
356 Exibições
por celinessz
0 Respostas 
67 Exibições
por Jupiterceci
1 Respostas 
101 Exibições
por NEOX2005
1 Respostas 
100 Exibições
por Amably2Sousa
0 Respostas 
59 Exibições
por pedroh0320
0 Respostas 
63 Exibições
por Ozaias
0 Respostas 
54 Exibições
por kauaaraujo
0 Respostas 
82 Exibições
por Polhi
0 Respostas 
99 Exibições
por milena81
meio ambiente de belágua

A construção federal de 1988 garante[…]

Minha primeira redacão

Sobre o D1, eu acho que você deveria problem[…]

1. Sociedade. Estado. Família. De acordo c[…]

O jogador de futebol Vinicius Junior, Brasileiro q[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM