Avatar do usuário
Por LFelipe777
Quantidade de postagens
#130911
“O cidadão invisível” trata da desvalorização de alguns indivíduos na sociedade
brasileira. A crítica de Dimenstein é verificada na questão do diagnóstico tardio de autismo no Brasil, que negligencia os cidadãos que sofre de transtorno do espectro autista. Nesse contexto, percebe-se a configuração de um complexo problema, que se enraíza na ineficiência governamental e na invibilização.
Dessa forma, em primeira ánalise, a omissão governamental é um desafio presente no problema. Para Thomas Hobbes, o Estado é responsável por garantir o bem-estar dos cidadãos. Porém, tal responsabilidade não está sendo honrada quanto à falha do vagoroso tratamento de autista, visto que na maioria dos casos o governo não estabelece medidas para melhoria de infraestuturas dedicada a esses indivíduos . Assim, para que tal bem-estar seja usufruído, o Estado precisa sair da inércia em que se encontra.
Além disso, vale ressaltar que o silenciamento influencia fortemente o problema. Foucault explica a estratégia de silenciar determinados assuntos para que
estruturas de poder sejam mantidas. De fato, o silenciamento mantém tais
estruturas por meio da dificuldade do diagnóstico autista, uma vez que infelizmente esse tipo de assunto e tratado como supérfluo por grande parte da população . Assim, é preciso diálogo massivo sobre o panorama, mesmo que ele
venha a reconfigurar tais estruturas.
Portanto, faz-se necessária uma intervenção pontual. Para isso, o governo federal deve criar uma agenda específica para o tema, por meio da organização de fundos e projetos, a fim de reverter a inércia estatal que afeta a dificuldade do diagnóstico tardio de autismo. Tal ação pode, ainda, conter consultas públicas para entender as reais necessidades da população. Paralelamente, é preciso intervir sobre a invibilização presente no cenário. Dessa forma, o Brasil poderá ter menos "cidadãos de papel", como defendeu Dimenstein.
NOTA GERAL (USUÁRIOS)
Sem
nota
Pontuar redação
NOTA AUTOMÁTICA (IA)
Sem
nota
Passe ilimitado
Comentários
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 1: Demonstrar domínio da norma da língua escrita.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.
Texto não corrigido.
COMPETÊNCIA 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
Texto não corrigido.
Avatar do usuário
Por LFelipe777
Quantidade de postagens
#130914
“O cidadão invisível” trata da desvalorização de alguns indivíduos na sociedade brasileira. A crítica de Dimenstein é verificada na questão do diagnóstico tardio de autismo no Brasil, que negligencia os cidadãos que sofre de transtorno do espectro autista. Nesse contexto, percebe-se a configuração de um complexo problema, que se enraíza na ineficiência governamental e na invibilização.

Dessa forma, em primeira ánalise, a omissão governamental é um desafio presente no problema. Para Thomas Hobbes, o Estado é responsável por garantir o bem-estar dos cidadãos. Porém, tal responsabilidade não está sendo honrada quanto à falha do vagoroso tratamento de autista, visto que na maioria dos casos o governo não estabelece medidas para melhoria de infraestuturas dedicada a esses indivíduos . Assim, para que tal bem-estar seja usufruído, o Estado precisa sair da inércia em que se encontra.

Além disso, vale ressaltar que o silenciamento influencia fortemente o problema. Foucault explica a estratégia de silenciar determinados assuntos para que estruturas de poder sejam mantidas. De fato, o silenciamento mantém tais
estruturas por meio da dificuldade do diagnóstico autista, uma vez que infelizmente esse tipo de assunto e tratado como supérfluo por grande parte da população . Assim, é preciso diálogo massivo sobre o panorama, mesmo que ele venha a reconfigurar tais estruturas.

Portanto, faz-se necessária uma intervenção pontual. Para isso, o governo federal deve criar uma agenda específica para o tema, por meio da organização de fundos e projetos, a fim de reverter a inércia estatal que afeta a dificuldade do diagnóstico tardio de autismo. Tal ação pode, ainda, conter consultas públicas para entender as reais necessidades da população. Paralelamente, é preciso intervir sobre a invibilização presente no cenário. Dessa forma, o Brasil poderá ter menos "cidadãos de papel", como defendeu Dimenstein.
0
Similar Topics
Tópicos Estatísticas Última mensagem
1 Respostas 
137 Exibições
por Hugoresend
0 Respostas 
105 Exibições
por rafaellimao
0 Respostas 
85 Exibições
por rafaellimao
0 Respostas 
68 Exibições
por rafaellimao
0 Respostas 
78 Exibições
por rafaellimao
Autismo: desafios na sociedade atual.
por rafaellimao    - In: Outros temas
0 Respostas 
60 Exibições
por rafaellimao
0 Respostas 
151 Exibições
por Clarise
0 Respostas 
100 Exibições
por Samakunn
Autismo no Brasil
por AnaVi2211    - In: Outros temas
0 Respostas 
50 Exibições
por AnaVi2211
0 Respostas 
101 Exibições
por MatheusCar

Segundo o empresário estadunidense Steve Jobs: &qu[…]

O livro "Utopia", do escritor inglês Tho[…]

A lei seca foi implementada com o intuito de evita[…]

EXCLUIR REDAÇÃO!!!

Você poderia excluir a minha primeira redação de &[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!