Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos como "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#56677
No ano de 1859, o utilitarista britânico John Stuart Mill, em seu livro "Sobre a liberdade", preconizou que os indivíduos deveriam usufruir de uma liberdade irrestrita, exceto quando esta causasse prejuízo a outros indivíduos. Contrapondo a ideia de Mill à justificação falha apresentada pelos que advogam contra a obrigatoriedade da vacinação em favor da liberdade, evidencia-se que há deturpação de tal conceito. Isto é, punições devem ser aplicadas proporcionalmente ao dano ocasionado por semelhante crença, que representa um risco imediato à saúde pública e indireto à veiculação de informações verídicas.

Primeiramente, é válido mencionar a crise sanitária atual originada pela pandemia do SARS-COV-2 em 2019. Desde então, o Brasil protagonizou em março 2021 com a maior mortalidade do mundo; dentre os principais fatores, estão as altercações do governo vigente contra o distanciamento social e a eficácia de vacinas disponíveis para compra. Além disso, essa postura foi aceite por simpatizantes do presidente da República, culminando em manifestações contra os imunizantes. Logo, a escassa cobertura de vacinação decorrente, sobretudo, da falta de acordos prévios com fornecedores demonstra, de maneira facínora, a relação entre a negligência antagônica às vacinas e o risco iminente à saúde pública.

Ademais, as redes sociais enquanto meios de comunicação podem potencializar o compartilhamento de discursos sem compromisso com a informação. Visto que as notícias falsas estão cada vez mais frequentes no cotidiano, a deturpação do conceito de liberdade com a finalidade de prejudicar a erradicação de doenças infelizmente é uma realidade aos internautas. Tendo em vista o impacto social dessas ações criminosas, faz-se necessário um embargo que não se restrinja apenas aos que optam erroneamente por não se vacinar, mas também à desinformação generalizada que é disponibilizada sem restrições no ambiente digital.

Portanto, urge que o Estado corrobore para mitigar as referidas problemáticas e prevenir assim, a deterioração mais acentuada da saúde pública. Isso posto, cabe ao Congresso Nacional assegurar a obrigatoriedade das vacinas, dado que o STF julgou o tema constitucional, salvo medidas invasivas como mediante o uso de ação coercitiva. Entretanto, o parlamento deve firmar o entendimento da aplicação de sanções pecuniárias a eventuais infratores. Também, em ação conjunta ao Ministério da Cidadania, é necessária a criação de leis mais severas, como a extensão da pena para reclusão de 15 anos, visando minimizar o impacto de eventuais ameaças ao bem-estar coletivo, advindas dos meios de comunicação.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 180

Você atingiu aproximadamente 90% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita, neste nível, são aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizam reincidência.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente e apresenta bom domínio do texto dissertativo-argumentativo, com proposição, argumentação e conclusão. Embora ainda possa apresentar alguns problemas no desenvolvimento das ideias, o tema, em seu texto, é bem desenvolvido, com indícios de autoria e certa distância do senso comum demonstrando bom domínio do tipo textual exigido.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, de forma organizada, com indícios de autoria, ou seja, os argumentos, embora ainda possam ser previsíveis, estão organizados e relacionados de forma consistente ao ponto de vista defendido e ao tema proposto, e há indícios de autoria.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 140

Você atingiu aproximadamente 70% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. O participante elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, articulada e abrangente, ainda que sem suficiente detalhamento.

#57414
No ano de 1859, o utilitarista britânico John Stuart Mill, em seu livro "Sobre a liberdade", preconizou que os indivíduos deveriam usufruir de uma liberdade irrestrita, exceto quando esta causasse prejuízo a outros indivíduos. Contrapondo a ideia de Mill à justificação falha apresentada pelos que advogam contra a obrigatoriedade da vacinação em favor da liberdade, evidencia-se que há deturpação de tal conceito. Isto é, punições devem ser aplicadas proporcionalmente ao dano ocasionado por semelhante crença, que representa um risco imediato à saúde pública e indireto à veiculação de informações verídicas.

[melhorar conectivo] Primeiramente, é válido mencionar a crise sanitária atual originada pela pandemia do SARS-COV-2 em 2019. Desde então, o Brasil protagonizou em março 2021 com a maior mortalidade do mundo; dentre os principais fatores, estão as altercações do governo vigente contra o distanciamento social e a eficácia de vacinas disponíveis para compra. Além disso, essa postura foi aceita por simpatizantes do presidente da República, culminando em manifestações contra os imunizantes. Logo, a escassa cobertura de vacinação decorrente, sobretudo, da falta de acordos prévios com fornecedores demonstra, de maneira facínora, a relação entre a negligência antagônica às vacinas e o risco iminente à saúde pública.

Ademais, as redes sociais enquanto meios de comunicação podem potencializar o compartilhamento de discursos sem compromisso com a informação. Visto que as notícias falsas estão cada vez mais frequentes no cotidiano, a deturpação do conceito de liberdade com a finalidade de prejudicar a erradicação de doenças infelizmente é uma realidade aos internautas. Tendo em vista o impacto social dessas ações criminosas, faz-se necessário um embargo que não se restrinja apenas aos que optam erroneamente por não se vacinar, mas também à desinformação generalizada que é disponibilizada sem restrições no ambiente digital.
* Não fique no senso comum, apresente repertório

Portanto, urge que o Estado corrobore para mitigar as referidas problemáticas e prevenir assim, a deterioração mais acentuada da saúde pública. Isso posto, cabe ao Congresso Nacional assegurar a obrigatoriedade das vacinas, dado que o STF julgou o tema constitucional < não traga fato novo na conclusão], salvo medidas invasivas como mediante o uso de ação coercitiva. Entretanto, o parlamento deve firmar o entendimento da aplicação de sanções pecuniárias a eventuais infratores. Também, em ação conjunta ao Ministério da Cidadania, é necessária a criação de leis mais severas, como a extensão da pena para reclusão de 15 anos, visando minimizar o impacto de eventuais ameaças ao bem-estar coletivo, advindas dos meios de comunicação.
* Precisa organizar suas ideias para apresentar a intervenção com os elementos: AGENTE + AÇÃO + MEIO + FINALIDADE + DETALHAMENTO

Espero ter ajudado! :D

Ótima redação! Não vi […]

A constituição federal de 1988 ,docu[…]

O ensino a distância, que antes era usado pr[…]

_zigmunt Baumam, sociólogo e filósof[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM