Avatar do usuário
Por andreia567
Quantidade de postagens
#128805
Consoante a teoria "Banalidade do Mal", criada por Hannah Arendt, a sociedade perdeu a capacidade de efetuar julgamentos morais sobre os distúrbios que a afligem, tornando esses altamente banalizados em seu cotidiano. Sob essa lógica, pode-se afirmar que a coletividade, sobretudo a brasileira, banalizou os desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no território Tupiniquim, pois medidas não são realizadas para erradicá-lo. À vista disso, destacam-se o desserviço estatal e a desigualdade social como causas desse problema, as quais devem ser amplamente discutidas e, por fim, exterminadas.
Em primeiro lugar, constata-se o desserviço estatal como uma das causas da questão da desvalorização do trabalho de assistência feminina no País. Nesse contexto, o filósofo Zygmund Bauman criou a expressão "Instituições Zumbis", a qual diz respeito ao fato de que algumas instituições, como o Estado, estão perdendo sua função social. Nessa ótica, tal teoria é constatada no contexto brasileiro, uma vez que o Poder Público negligência políticas para valorização do trabalho de cuidado realizado pela mulher, o que acarreta seu desmerecimento na sociedade. Dessa forma, devido à omissão governamental, a problemática é agravada no meio social.
Ademais, é fundamental apontar a desigualdade social como impulsionador da falta de reconhecimento da função de cuidado desempenhado pela população feminina no Brasil. Neste cenário, a economista Armatya Sen desenvolveu o conceito de índice de Desenvolvimento Humano, a partir do qual a dignidade de um indivíduo está intimamente relacionada ao acesso à renda. Diante de tal exposto, é notório que a nação Tupiniquim possui mulheres que não usufruem deste direito apresentado por Amartya Sen, uma vez que o trabalho de cuidado realizado por elas é frequentemente mal remunerado, contribuindo para o estado de indigência. Logo, é inadmissível que essa situação continue a perdurar.
Depreende-se, portanto, a necessidade de se combater esses obstáculos. Para isso, é imprescindível que o Governo Federal, cuja função é manter a harmonia social, por meio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, desenvolva programas de conscientização para empresas e indivíduos acerca da importância do salário justo e equitativo. Assim, se consolidará uma sociedade mais ética e engajada, tal como afirma a filósofa Hannah Arendt.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita, ou seja, apresenta um texto com boa estrutura sintática, com poucos desvios de pontuação, de grafia e de emprego do registro exigido.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 187

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 187

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, configurando autoria, ou seja, os argumentos selecionados estão organizados e relacionados de forma consistente com o ponto de vista defendido e com o tema proposto, configurando-se independência de pensamento e autoria.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 187

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante articula bem as ideias, os argumentos, as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos, sem inadequações.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 173

Você atingiu aproximadamente 90% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir. O participante elabora excelente proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto. Trata-se de redação cuja proposta de intervenção seja muito bem elaborada, relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, abrangente e bem detalhada.

Avatar do usuário
Por Flicker2307
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#128878
Olá, @andreia567! Li o seu texto e vou apontar o que achei.

Erros estarão assim
{correção entre chaves}
comentários do parágrafo em itálico

Introdução:
Consoante a teoria "Banalidade do Mal", criada por Hannah Arendt, a sociedade perdeu a capacidade de efetuar julgamentos morais sobre os distúrbios que a afligem, tornando esses altamente banalizados em seu cotidiano. Sob essa lógica, pode-se afirmar que a coletividade, sobretudo a brasileira, banalizou os desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no território Tupiniquim, pois medidas não são realizadas para erradicá-lo. À vista disso, destacam-se o desserviço estatal e a desigualdade social como causas desse problema, as quais devem ser amplamente discutidas e, por fim, exterminadas.

Sua introdução está bem feita e articulada ao tema. Eu não conhecia o termo "território Tupiniquim" e isso foi um diferencial.

D1:
Em primeiro lugar, constata-se o desserviço estatal como uma das causas da questão da desvalorização do trabalho de assistência feminina no País. Nesse contexto, o filósofo Zygmund Bauman criou a expressão "Instituições Zumbis", a qual diz respeito ao fato de que algumas instituições, como o Estado, estão perdendo sua função social. Nessa ótica, tal teoria é constatada no contexto brasileiro, uma vez que o Poder Público negligência {negligencia} políticas para valorização do trabalho de cuidado realizado pela mulher, o que acarreta seu desmerecimento na sociedade. Dessa forma, devido à omissão governamental, a problemática é agravada no meio social.

Normalmente não é indicado usar "Em primeiro lugar" para começar o D1. Não afeta o texto, mas eu sugiro que troque por outro conector. Quanto a argumentação, eu gostei. Se possível, aprofunde um pouco mais, com algum exemplo que acontece no dia a dia.

D2:
Ademais, é fundamental apontar a desigualdade social como impulsionador da falta de reconhecimento da função de cuidado desempenhado pela população feminina no Brasil. Neste {Nesse} cenário, a economista Armatya Sen desenvolveu o conceito de índice de Desenvolvimento Humano, a partir do qual a dignidade de um indivíduo está intimamente relacionada ao acesso à renda. Diante de tal exposto, é notório que a nação Tupiniquim possui mulheres que não usufruem deste direito apresentado por Amartya Sen, uma vez que o trabalho de cuidado realizado por elas é frequentemente mal remunerado, contribuindo para o estado de indigência. Logo, é inadmissível que essa situação continue a perdurar.

Neste = algo que ainda vai ser mencionado. D2 está organizado e relacionado ao tema.

Depreende-se, portanto, a necessidade de se combater esses obstáculos. Para isso, é imprescindível que o Governo Federal, cuja função é manter a harmonia social, por meio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, desenvolva programas de conscientização para empresas e indivíduos acerca da importância do salário justo e equitativo. Assim, se consolidará uma sociedade mais ética e engajada, tal como afirma a filósofa Hannah Arendt.

Faltou detalhar, sugerindo como funcionaria esse programa, entretanto os outros elementos são encontrados.

Gostei bastante do seu texto, você escreve muito bem! Só deve se atentar aos pontos que consegui identificar que você poderia melhorar.

Enfim, te desejo uma boa escrita!

Assinado por Flicker2307
1
Similar Topics
Tópicos Estatísticas Última mensagem
2 Respostas 
1311 Exibições
por vertinho
0 Respostas 
316 Exibições
por EduardaH25
1 Respostas 
369 Exibições
por suy26737tnz
0 Respostas 
297 Exibições
por matheus2306
0 Respostas 
184 Exibições
por EuMaiza
0 Respostas 
187 Exibições
por EuMaiza
0 Respostas 
224 Exibições
por Rayane86
0 Respostas 
218 Exibições
por Euu4
5 Respostas 
431 Exibições
por Caiunao
0 Respostas 
285 Exibições
por anastiny

A Declaração Universal dos Direitos […]

ㅤㅤEm um cenário de constantes transforma&cc[…]

A relação do homem com o trabalho, a[…]

Abandono paterno no Brasil

Caiunao

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM