Avatar do usuário
Por belovr
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#116289
A Constituição Federal, promulgada em 1988, garante o direito à proteção dos povos tradicionais, incluindo a sua cultura e os seus costumes. Entretanto, a ausência da valorização da vivência nativa brasileira ocorre pela omissão estatal que leva a pouca informação acerca dos povos originários.

A princípio, é válido ressaltar a falta de informações publicas divulgadas a população. Segundo uma pesquisa realizada pelo Ministério Público Federal, existem cerca de 424 mil povos tradicionais. Neste sentido, a quantidade exorbitante, desde indígenas até extrativistas, não colabora com o conhecimento gerado aos restantes dos cidadãos. Logo, faz-se necessário a inclusão de mais colocações sobre as comunidades originárias, visto que existe a falta de acesso as informações pertinentes, e que trariam mais discernimento.

Ademais, a desvalorização cultural torna-se um problema grave. De maneira análoga, de acordo com Paulo Freire, filósofo brasileiro, não há saber mais ou saber menos, e sim, saberes diferentes. Destarte, as tradições dos povos e comunidades tradicionais não deve ser considerada um conhecimento sem valor, sendo rotulada devido a falha de comunicação. Logo, o compartilhamento indevido ou a falta de acesso acarreta problemas maiores as comunidades tradicionais, como a intolerância e a ilegitimação social.

Em suma, é preciso solucionar esse revés urgentemente. Neste âmbito, cabe ao Ministério Público, em conjunto das comunidades e povos tradicionais, intervir e perpetuar dados por meio de campanhas socioeducativas e documentários, envolvendo cada população originária, sobretudo acrescentando vivência e reconhecimento cultural. Desta forma, o direito à proteção, como vigora na Carta Magna, será um benefício praticado verdadeiramente em prol dos nativos do Brasil.
NOTA GERAL (USUÁRIOS)
Sem
nota
Pontuar redação
NOTA AUTOMÁTICA (IA)
Sem
nota
Passe ilimitado
Comentários
Texto não corrigido
COMPETÊNCIA 1: Demonstrar domínio da norma da língua escrita.
Texto não corrigido
COMPETÊNCIA 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
Texto não corrigido
COMPETÊNCIA 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
Texto não corrigido
COMPETÊNCIA 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.
Texto não corrigido
COMPETÊNCIA 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
Texto não corrigido
Avatar do usuário
Por Mayrita23
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#116324
Oii, não sou especialista em correções, porém irei fazer de acordo com o que me ensinaram

C1: 200
Demonstrou um ótimo domínio da norma da língua portuguesa sem desvios gramaticais.

C2:200
Compreendeu a proposta de redação e aplicou conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
apresentou uma argumentação consistente, a partir de repertórios socioculturais

C3:200
Selecionou, relacionou, organizou e interpretou informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

C4:200
Demonstrou conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação, articulando bem as ideias, apresentando um repertório diversificado de recursos coesivos, sem inadequações.

C5:200
Elaborou a proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
E apresentando os 5 elementos (Agente, Ação, Meio, Efeito e Detalhamento)
0

A Constituição Federal de 1988 assegura a todos os[…]

O artigo 4 da Declaração Universal dos Direitos Hu[…]

alguém poderia por favor corrigi-la? @Lauany25 @M[…]

O programa televisivo "Catalendas" con[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!