• Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#66851
Na comédia americana “Despedida em grande estilo”, três idosos, depois de terem sidos dispensados da empresa que trabalharam por anos, se veem na necessidade de roubar um banco para pagar suas contas. Apesar da história ser ficcional, apresenta a realidade de muitos idosos no Brasil contemporâneo que passam por uma questão de abandono. Nesse sentido, é necessário reconhecer e entender a negligência do Estado e a falta de empatia da sociedade com os mais velhos.
Em primeiro lugar, tem se tornado cada vez mais evidente a falta de amparo social do governo com os idosos no país. Segundo o Estatuto do Idoso, é dever da família, da sociedade e do Poder Público assegurar à terceira idade o direito à vida, à saúde, ao lazer, entre outros. No entanto, muitos não têm acesso aos seus direitos pois encontram entraves em acessar médicos pelo SUS, atividades de lazer e gratuidade no transporte público, por exemplo. Devido a essas questões muitos são considerados em situação de abandono e são obrigados a procurar meios de se sustentar mesmo depois de anos de contribuição e não tendo mais condições físicas.
Ademais, não só o governo, mas a família e o corpo social possuem o dever de assegurar aos idosos seus direitos. Apesar disso, nota-se na sociedade atual que os jovens e os adultos sentem cada vez menos empatia pelos mais velhos, considerando-os até mesmo como um fardo em suas vidas, por esse motivo muitos são mandados para asilos e passam anos sem receber ao menos uma visita de seus familiares. Neste viés, o sociólogo polonês ,Zigmunt Bauman, defende sua teoria de que na sociedade líquida em que vivemos há uma fragilização das relações socioafetivas frente ao avanço do individualismo, ou seja, é cada vez mais fácil e mais comum não tem empatia pelos mais velhos.
Portanto, após reconhecer e entender as relações sociais dos idosos com o Estado e o corpo social, é perceptível que medidas são necessárias. Para atenuar o entrave, o Ministério Público -órgão responsável pela defesa dos direitos e garantias constitucionais do idoso-, deve promover uma campanha nacional de valorização do idoso. Por meio do investimento em hospitais e locais especializados para acolhimento, consultas médicas e lazer, além de anúncios e palestras sobre o tema, com a finalidade de assegurar aos idoso seus direitos, promover a discussão sobre o assunto e a empatia social. Desse modo, os idosos brasileiros não terão que tomar medidas absurdas, como a dos senhores no filme americano.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

#68954
Redação: o abandono dos idosos em relação à contemporaneidade
O abandono afetivo inverso

No Brasil, a expectativa de vida tem aumentado cada vez mais. O que era para ser uma “coisa boa” para a sociedade, tem se tornado um problema, tanto para os idosos que necessitam de cuidados, quanto para os responsáveis por eles, que querem se negar a cuidar deles.
Os motivos dos asilos estarem cada vez mais cheios são: a falta de condições econômicas; a dificuldade dos filhos, de lidar com as necessidades de cuidados especiais dos idosos, que dizem respeito à perda da capacidade funcional ou da saúde; perda de vínculos familiares, ou seja, o filho não tem ou não teve uma convivência com o idoso, e a falta de interesse dos familiares em cuidar dos idosos.
O que falta, é uma pouco de sensibilidade, de amor, empatia e o principal é: gratidão, que cabe principalmente aos filhos, mesmo os que não tiveram uma convivência familiar, cuidar e amar; não é sobre ter pena e sim empatia. Os idosos ontem foram às pessoas que lutaram para o mundo ser melhor e hoje ocupam a posição “menos importante”, abandonados por seus familiares.
A Mídia, por sua grande influência social, deve conscientizar a população dos cuidados que uma pessoa dessa faixa etária precisa e que abandono de uma pessoa idosa é caracterizado como crime. Essa conscientização deve ser feita por meio de propagandas em horário nobre, para maior alcance da população. O ‘mínimo dos mínimos’, é reconhecer os seus valores como humanos e respeitar seus direitos.

Muito se tem discutido, recentemente, acerca das d[…]

nycolas2005 , muito obrigada, fico feliz pela cor[…]

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio &aacu[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM