Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos como "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
  • Avatar do usuário
#56471
Atualmente quando as pessoas se deslocam de um lugar para o outro nota-se o modo de fala das pessoas e como algumas palavras passam a ter outro significado; Exemplifica-se o "aipim" que é comumente falado pelos Sulistas e a "Macaxeira" falada pelos nordestinos, onde ambas são a mesma coisa, a mandioca.Sendo assim percebe-se que a linguagem brasileira está longe de ser homogênea, pois cada região possuí uma variabilidade da língua, tornando-se algo a ser abordado de forma flexível, em instituições de ensino,para que sejam livres do preconceito linguístico.
A linguagem brasileira se diversifica de região para região, tornando-se heterogênea, ou seja,possuem significados e denominação diferente a depender de onde seja sua localização. As palavras podem mudar de uma forma imensa, já que cada cidade e estado possuem sua própria cultura e gírias que influenciam no léxico e na fala regional de seus estados e que surgiram no passado historico com os habitantes antigos, que traziam a sua cultura e os trejeitos de seu país ou cidade de
origem. Sendo assim cada lugar possui a expressão típica com o seu próprio dialeto regional.
Sabe-se mesmo que não seja algo comum, muitas pessoas são discriminadas pela sua forma de falar, variando entre sotaque e suas expressões, sendo conhecido
como"Preconceito Linguístico" muito
sofrido por nordestinos, já que suas palavras são, de certa forma, mais diferente em relação a algumas regiões. Embora a língua seja dinâmica, e com o uso das redes sociais elas tenham uma certa ênfase ainda sim existem certas discriminações seja no âmbito escolar e até mesmo no meio social, restando
apenas uma forma de como seria possível debater e combater o famigerado "Preconceito Linguístico".
Fica claro, portanto, de que a língua brasileira está em constante mudança e de que é um fator exclusivo da exclusão social. Por isso, o preconceito linguístico deve ser admitido e combatido. Primeiramente deve-se ter uma abordagem maior na literatura e a mídia deveria criar personagens "poliglotas
da língua" onde acaba com esse esteriótipo da fala. Segundo que deveria ser algo mais debatido nas escolas de forma mais aprofundada sobre esse tema, além de ensinar, nas aulas de Português, todas
as variantes da língua. Afinal ter um bom conhecimento nunca é demais.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Ótima redação! Não vi […]

A constituição federal de 1988 ,docu[…]

O ensino a distância, que antes era usado pr[…]

_zigmunt Baumam, sociólogo e filósof[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM