• Avatar do usuário
#78626
Embora a Lei Maria da Penha assegure a integridade física e moral para todas as mulheres, percebe-se que, na sociedade brasileira contemporânea, não há o cumprimento absoluto desse preceito, principalmente no que se refere a coibição da violência feminina. Isso acontece devido à falta de conscientização da população e a aspectos culturais e históricos.
É intrínseco ressaltar, nesse contexto, que a perpetuação da violência contra a mulher se relativa, essencialmente com aspectos históricos e culturais. Em virtude, que no período colonial, ocorreu em que, a legislação institucionalizava aos maridos de violentar as mulheres. Nesse sentido, é demonstrado que os aspectos históricos e culturais, não só deixaram sequelas no público feminino no passado, mas sim, se mostra presente no país, onde as mulheres têm a sua imagem inferiorizada e difamada no âmbito social.
Ademais, é importante destacar que a agressão contra a mulher, também, se relaciona com a falta de conscientização da população. Esse fato é corroborado, quando se nota em noticiários ou em matérias jornalísticas o aumento de crimes contra a mulher no cotidiano brasileiro, como o assédio e a importunação sexual. Sob essa ótica, essa conjuntura se configura com o conceito de violência simbólica — Pierre Bourdieu, em que a coação não se transparece somente na agressão física, mas também, nas atitudes habituais — isso se dá pela ausência da cogitação dessa realidade por parte da sociedade.
Por isso, deve ocorrer medidas que minimizam esses problemas. Para isso efetivar, é significativo que as Organizações Não Governamentais (ONGs), por intermédio de campanhas publicitárias, proporcione debates e diálogos nas instituições sociais, de modo que a própria população reflita sobre esse tema. Além disso, é fundamental que o Estado, a partir da regulação da legislação, proporcione a ampliação de medidas protetivas às mulheres, de modo que a violência contra o público feminino possa ser diminuída. Sendo assim, que essas ações possam ser concretizadas, para que a agressão contra a mulher seja mitigada.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

analfabetismo no Brasil

Oi, Iurymed , tudo certo? bora lá (lembran[…]

Título: Mais problemas O programa mais m&[…]

Jotaveh walace vanussa Isabelaassis

Como a arte pode ser inclusiva no Brasil? Ao menc[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM