Avatar do usuário
Por Djessica2003
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#69445
Na obra “Brasil:uma biografia”, as historiadoras Lilia Schwarcz e Heloisa Starling
apontam ao leitor as idiossincrasias da sociedade brasileira. Dentre elas destaca-se “a difícil
e tortuosa construção da cidadania”. Embora o país possua uma das legislações mais
avançadas do mundo, muito do que nela se prevê não se concretiza. Tal fato é evidenciado
na persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira, tendo em vista que
apesar dos brasileiros possuírem acesso à segurança como direito constitucional, a
violência contra a mulher permanece intrínseca à realidade do país. A partir desse contexto,
é fundamental discutir a maior motivação desse quadro, bem como a maior causa dessa
grave omissão para a sociedade.
De início, é válido destacar que a ineficiência de medidas governamentais restringe a
cidadania dos indivíduos, assim como atua sendo um agente para a persistência da
violência contra mulher. Seja pela dificuldade do Governo em administrar recursos em um
território de dimensões continentais, seja pela falta de interesse dos Órgãos Públicos em
promover a segurança das mulheres. Essa conjura, configura-se como uma quebra do
“Contrato Social”, uma vez que o Estado não cumpre sua função de combater amplamente
a constância dessa violência contra a mulher. Desse modo, faz-se mister a reformulação
dessa postura Estatal de forma urgente.
Ademais, a persistência da violência contra a mulher provém de um ensino ineficaz, e
muitas vezes inexistente, que acarreta falta de conhecimentos sobre direitos individuais. No
livro “Vidas Secas” de Graciliano Ramos, o protagonista Fabiano, desprovido de acesso ao
conhecimento básico de direitos sociais, acabava sendo humilhado e explorado por aqueles
que detinham do saber. Nesse viés, sendo arte mera reprodução da realidade, hoje no
Brasil somam-se milhares de Fabianos. Dessa forma, o acesso ao saber sobre os direitos
das mulheres, por exemplo, é imperativo para alertar os brasileiros sobre sua cidadania e
inserir as mulheres brasileiras a uma segurança plena, rompendo a conservação da
violência.
Depreende-se, portanto, a necessidade de combater esses obstáculos. Sendo assim,
cabe ao Ministério da Educação (MEC) direcionar recursos para um maior ampliamento de
palestras a respeito da persistência da violência contra a mulher, por meio de uma definição
de agenda econômica que democratize o saber sobre direitos individuais inerentes a todo
cidadão brasileiro, afim de promover uma maior conscientização dos cidadãos. Assim, se
consolidará uma sociedade mais justa, onde o Estado cumpre corretamente a sua função tal como afirma John Locke.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita, ou seja, apresenta um texto com boa estrutura sintática, com poucos desvios de pontuação, de grafia e de emprego do registro exigido.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 120

Você atingiu aproximadamente 60% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, mas limitados aos argumentos dos textos motivadores e pouco organizados, ou seja, os argumentos estão pouco articulados, além de relacionados de forma pouco consistente ao ponto de vista defendido.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 120

Você atingiu aproximadamente 60% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante articula de forma mediana as partes do texto com inadequações ou alguns desvios e apresenta repertório pouco diversificado de recursos coesivos.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, articulada e abrangente, ainda que sem suficiente detalhamento.

Avatar do usuário
Por Djessica2003
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#69446
Na obra “Brasil:uma biografia”, as historiadoras Lilia Schwarcz e Heloisa Starling
apontam ao leitor as idiossincrasias da sociedade brasileira. Dentre elas destaca-se “a difícil
e tortuosa construção da cidadania”. Embora o país possua uma das legislações mais
avançadas do mundo, muito do que nela se prevê não se concretiza. Tal fato é evidenciado
na persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira, tendo em vista que
apesar dos brasileiros possuírem acesso à segurança como direito constitucional, a
violência contra a mulher permanece intrínseca à realidade do país. A partir desse contexto,
é fundamental discutir a maior motivação desse quadro, bem como a maior causa dessa
grave omissão para a sociedade.

De início, é válido destacar que a ineficiência de medidas governamentais restringe a
cidadania dos indivíduos, assim como atua sendo um agente para a persistência da
violência contra mulher. Seja pela dificuldade do Governo em administrar recursos em um
território de dimensões continentais, seja pela falta de interesse dos Órgãos Públicos em
promover a segurança das mulheres. Essa conjura, configura-se como uma quebra do
“Contrato Social”, uma vez que o Estado não cumpre sua função de combater amplamente
a constância dessa violência contra a mulher. Desse modo, faz-se mister a reformulação
dessa postura Estatal de forma urgente.

Ademais, a persistência da violência contra a mulher provém de um ensino ineficaz, e
muitas vezes inexistente, que acarreta falta de conhecimentos sobre direitos individuais. No
livro “Vidas Secas” de Graciliano Ramos, o protagonista Fabiano, desprovido de acesso ao
conhecimento básico de direitos sociais, acabava sendo humilhado e explorado por aqueles
que detinham do saber. Nesse viés, sendo arte mera reprodução da realidade, hoje no
Brasil somam-se milhares de Fabianos. Dessa forma, o acesso ao saber sobre os direitos
das mulheres, por exemplo, é imperativo para alertar os brasileiros sobre sua cidadania e
inserir as mulheres brasileiras a uma segurança plena, rompendo a conservação da
violência.

Depreende-se, portanto, a necessidade de combater esses obstáculos. Sendo assim,
cabe ao Ministério da Educação (MEC) direcionar recursos para um maior ampliamento de
palestras a respeito da persistência da violência contra a mulher, por meio de uma definição
de agenda econômica que democratize o saber sobre direitos individuais inerentes a todo
cidadão brasileiro, afim de promover uma maior conscientização dos cidadãos. Assim, se
consolidará uma sociedade mais justa, onde o Estado cumpre corretamente a sua função tal como afirma John Locke.
0
Avatar do usuário
Por Djessica2003
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#69449
Oii, sou nova aqui, vi que para ser feita a correção precisa marcar, enfim, já agradeço a atenção! Obs: Tenho um instagram de estudos: @ex_seriadista . Passei esse ano em medicina e dou dicas lá, também distribuo correções gratuitas de redação, feitas por uma plataforma de estudos (cursinho), como esse tema não está disponível lá, estou aqui kkk! Muitoo obrigada a quem corrigir!!! (Quem precisar, pode me chamar lá, se possível, ajudo!!)
@vitoriaca
@eurodrigo
@Gi69
@EmillyySilva
@LuKarla25
0
Por vitoriaca
Tempo de Registro Quantidade de postagens Amigos
#70599
Ei, @Djessica2003!
Perdão pela demora.

Na obra “Brasil: uma biografia”, as historiadoras Lilia Schwarcz e Heloisa Starling apontam ao leitor as idiossincrasias da sociedade brasileira. Dentre elas destaca-se “a difícil e tortuosa construção da cidadania” (contextualização). Embora o país possua uma das legislações mais avançadas do mundo, muito do que nela se prevê não se concretiza. Tal fato é evidenciado na persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira, tendo em vista que apesar dos brasileiros possuírem acesso à segurança como direito constitucional, a violência contra a mulher permanece intrínseca à realidade do país (tese). A partir desse contexto, é fundamental discutir a maior motivação desse quadro, bem como a maior causa dessa grave omissão para a sociedade (encaminhamento).

De início, é válido destacar que a ineficiência de medidas governamentais restringe a cidadania dos indivíduos, assim como atua sendo um agente para a persistência da violência contra mulher (apresentação da ideia). (1) Seja pela dificuldade do Governo em administrar recursos em um território de dimensões continentais, seja pela falta de interesse dos Órgãos Públicos em promover a segurança das mulheres. Essa conjura, configura-se como uma quebra do “Contrato Social”, uma vez que o Estado não cumpre sua função de combater amplamente a constância dessa violência contra a mulher (encaminhamento da argumentação) (2). Desse modo, faz-se mister a reformulação dessa postura Estatal de forma urgente (fechamento).

Ademais, a persistência da violência contra a mulher provém de um ensino ineficaz, e muitas vezes inexistente, que acarreta falta de conhecimentos sobre direitos individuais (apresentação da ideia). (3) No livro “Vidas Secas” de Graciliano Ramos, o protagonista Fabiano, desprovido de acesso ao conhecimento básico de direitos sociais, acabava sendo humilhado e explorado por aqueles que detinham do saber. Nesse viés, sendo arte mera reprodução da realidade, hoje no Brasil somam-se milhares de Fabianos (encaminhamento da argumentação) (4). Dessa forma, o acesso ao saber sobre os direitos das mulheres, por exemplo, é imperativo para alertar os brasileiros sobre sua cidadania e inserir as mulheres brasileiras a uma segurança plena, rompendo a conservação da violência (fechamento).

Depreende-se, portanto, (5)a necessidade de combater esses obstáculos. Sendo assim, cabe ao Ministério da Educação (MEC) (1) direcionar recursos para um maior ampliamento de palestras a respeito da persistência da violência contra a mulher (2), por meio de uma definição de agenda econômica que democratize o saber sobre direitos individuais inerentes a todo cidadão brasileiro (3), afim(6) de promover uma maior conscientização dos cidadãos (4). Assim, se consolidará uma sociedade mais justa, onde o Estado cumpre corretamente a sua função tal como afirma John Locke.

(1) Iniciar com conectivo;
(2) Tente dar mais detalhes e explicar as informações dadas na sua argumentação. Por qual motivo há essa dificuldade? Porque existe essa falta de interesse?;
(3) Iniciar com conectivo;
(4) Mesma questão do ponto 2. Tente dar mais detalhes e explicar as informações dadas na sua argumentação;
(5) Há uma;
(6) A fim.

(1) agente
(2) ação
(3) modo/meio
(4) finalidade
(5) detalhamento (senti falta)

Espero que eu tenha te ajudado de alguma forma!
Abraços.
0
Avatar do usuário
Por chihirukiki
Tempo de Registro Quantidade de postagens
#71639
Djessica2003 escreveu:Vou marcar outras pessoas também!! Desde já obrigada!! E remarcar outras (porque acho que não foi)
@chihirukiki
@vitoriaca
@Gi69
@LuKarla25
Oiii, vi que você já obteve uma ótima correção da Vi, então deixarei a minha para a próxima pois ando MUITO ocupada. Perdão. Abraços e bons estudos! 🦋🌷

No momento não consigo corrigir todas as redações, estou muito atarefada com estudos para o ENEM e faculdade! 😥
:!: Tentando corrigir apenas redações sem correção. :!:
0
Similar Topics
Tópicos Estatísticas Última mensagem
3 Respostas 
308 Exibições
por mxttwill
3 Respostas 
242 Exibições
por Bikatriz
0 Respostas 
124 Exibições
por Brugomex
0 Respostas 
129 Exibições
por VanessaKim
0 Respostas 
43 Exibições
por Juu
2 Respostas 
211 Exibições
por Hellenbk
1 Respostas 
116 Exibições
por dougz16
2 Respostas 
258 Exibições
por cilene12
0 Respostas 
82 Exibições
por Giovanna076
0 Respostas 
175 Exibições
por Ana099
O feio e o bonito

A padronização estética atual[…]

Na obra "Utopia", do escritor in[…]

No que concerne a "O direto de ir e vir n[…]

luiz filipe laura loyse Carla ionara iara0

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM