Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos como "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#59111
Encaramos o feminicídio como algo frequente nos dias atuais, o porquê disso é que vemos nas redes televisivas mulheres que diariamente são vítimas desse crime de ódio. Mesmo assim, não se deve achar mulheres sendo mortas pelo simples fato de serem mulheres algo normal. Muito pelo contrário, é dever do Estado garantir segurança a todos. Na maioria dos casos, a vítima conhece o assassino, seja ele algum amigo próximo ou até mesmo o próprio companheiro.

A origem desse problema vem de até mesmo antes de Cristo. De um ponto de vista histórico, as mulheres sempre foram consideradas inferiores aos homens, sendo privadas de seus direitos durante muito tempo. As Helenas, mulheres livres do antigo mundo grego, constantemente sofriam violência doméstica, essa causada por seu marido ou até mesmo por seus próprios filhos. A mulher ateniense sequer era considerada cidadã, ao ponto de ser comparada aos escravos da época. Não tinha nenhum direito, era vista somente como a mãe de novos guerreiros, como dona de casa.

A morte por feminicídio é normalmente precedida por violência doméstica, essa sendo fruto de um relacionamento abusivo. É necessário ter muito cuidado nessas situações, pois a mais banal das brigas pode ser a última, um exemplo disso são as diversas mulheres assasinadas ao redor do Brasil.

O Estado, com sua grande influência em campanhas, deve conscientizar a população brasileira. Tal como garantir proteção a essas mulheres que sentem medo constantemente. Os cidadãos deveriam "abrir os olhos", coisa que é fruto da educação, e finalmente perceberem que mesmo que milênios tenham se passado, ainda continuamos com uma cultura machista e patriarcal. Então uma revolta social seria a melhor hipótese, pois como já dizia Francisco Barbosa, professor de história da rede estadual, grandes revoltas geram grandes revoluções.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

#59116
Não pode usar 1ª pessoa na redação, é escrita em 3ª pessoa.
Também é preciso usar conectivos no início de parágrafos e frases - para ligar e organizar sua redação (dica-tabela-de-elementos-de-coesao-textual-t2130.html)

Aqui também tem sobre a estrutura da redação: tipo-dissertativo-argumentativo-c2-t15073.html

Sugiro compreender a estrutura dos parágrafos primeiro: introdução, dois desenvolvimentos e a conclusão. E o que deve ter em cada um deles também.

Os casos de violência doméstica aumen[…]

A constituição federal de 1988, docu[…]

Violência doméstica

Agressão a Maria da Penha Vemos que atualm[…]

Obesidade no Brasil

Segundo dados do IBGE, em 2019 um quarto da popula[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM