Envie sua redação para correção!
Regras do fórum: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🚫 Postar a mesma redação mais de uma vez = ban (não avisarei mais) 🚫
🚫 Não coloque avisos como: "corrijam minha redação" na parte do tema 🚫
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#42726
Transexual é aquele indivíduo que não se identifica com seu gênero biológico e procura alternativas para se adequar ao sexo desejado. Fobia é medo, aversão, sendo assim, transfobia significa aversão a pessoas que mudaram seu gênero natural para aquele que elas realmente se identificam. No Brasil contemporâneo, tal prática ainda é muito realizada. Isso se deve ao preconceito de grande parte da sociedade com essa taxa da população e à negligência estatal.

Em primeira instância, é importante salientar que o preconceito com quem é transexual existe desde outras épocas. Dessa forma, pode-se perceber que tal preconceito foi, e ainda é, transmitido por gerações, o que evidencia a banalização da transfobia. Assim, a filósofa judia Hannah Arendt, em sua teoria "banalidade do mal', defende que o comportamento preconceituoso passa a ser realizado inconscientemente quando os indivíduos normalizam tal situação, o que pode ser comparado com a questão da discriminação contra as pessoas trans.

Ademais, é perceptível a negligência do Estado com essa taxa da população. No entanto, o sociólogo Émile Durkheim afirma, em seus inúmeros estudos, que o poder público se responsabiliza pelo gerenciamento das questões que envolvam a coletividade, estabelecendo, por conseguinte, o bem-estar social. Porém a perspectiva adotada pelo estudioso se manteve no plano teórico, pois a cirurgia  de redesignação sexual não era aprovada no Brasil até o ano de 2008, o que era um total descaso com essa esfera social. Com todavia essas conquistas tardias são frutos de muita luta.

Portanto, tornam-se indispensáveis caminhos para resolver esse impasse. Sendo assim, cabe às escolas realizarem palestras e discussões acerca da transfobia, por meio de um projeto realizado com a presença de pessoas transexuais, com a finalidade de desconstruir pensamentos preconceituosos acerca dessa taxa da população. Dessa forma, essa importante questão pode ser solucionada.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita, ou seja, apresenta um texto com boa estrutura sintática, com poucos desvios de pontuação, de grafia e de emprego do registro exigido.

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: 200

Você atingiu aproximadamente 100% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir. Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, configurando autoria, ou seja, os argumentos selecionados estão organizados e relacionados de forma consistente com o ponto de vista defendido e com o tema proposto, configurando-se independência de pensamento e autoria.

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: 160

Você atingiu aproximadamente 80% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, articulada e abrangente, ainda que sem suficiente detalhamento.

#42741
@dudaramos1

Erros
Correção dos erros
Comentários
Os 5 elementos
Outras observações

Introdução
Transexual é aquele indivíduo que não se identifica com seu gênero biológico e procura alternativas para se adequar ao sexo desejado. Fobia é medo, e/ou aversão, sendo assim, transfobia significa aversão a às pessoas que mudaram seu gênero natural para aquele que elas realmente se identificam. No Brasil contemporâneo, tal prática ainda é muito realizada. Isso se deve ao preconceito de grande parte da sociedade com essa taxa da população e à negligência estatal.
:arrow: Você não inseriu um repertório de início, mas sim usou um conceito, não há problema. De resto, sua introdução poderia ser melhor elaborada em alguns trechos!

Desenvolvimento 1
Em primeira instância, é importante salientar que o preconceito com quem é transexual existe desde outras épocas. Dessa forma, pode-se perceber que tal preconceito foi, e ainda é, transmitido por gerações, o que evidencia a banalização da transfobia. Assim, a filósofa judia Hannah Arendt, em sua teoria "banalidade do mal'", defende que o comportamento preconceituoso passa a ser realizado inconscientemente quando os indivíduos normalizam tal situação, o que pode ser comparado com a questão da discriminação contra as pessoas trans.
:arrow: Bom desenvolvimento, mas poderia ser melhor organizado. Parece que você fez dois tópicos frasais, enfim... poderia fazer o tópico brevemente e depois inserir o repertório e argumentar mais para o final e não deixá-la espalhada no início e no fim.

Desenvolvimento 2
Ademais, é perceptível a negligência do Estado com essa taxa da população. No entanto, o sociólogo Émile Durkheim afirma, em seus inúmeros estudos, que o poder público se responsabiliza pelo gerenciamento das questões que envolvam a coletividade, estabelecendo, por conseguinte, o bem-estar social. Porém, a perspectiva adotada pelo estudioso se manteve no plano teórico, pois a cirurgia de redesignação sexual não era aprovada no Brasil até o ano de 2008, o que era um total descaso com essa esfera social. Com todavia essas conquistas tardias são frutos de muita luta.
:arrow: Bom desenvolvimento também, gostei mais desse do que do anterior. Porém, cuidado com a falta de vírgulas e erros em conectivos!

Conclusão
Portanto, tornam-se indispensáveis caminhos para resolver esse impasse. Sendo assim, cabe às escolas (agente) realizarem palestras e discussões acerca da transfobia (ação), por meio de um projeto realizado com a presença de pessoas transexuais (meio/modo), com a finalidade de desconstruir pensamentos preconceituosos acerca dessa taxa da população (efeito/finalidade). Dessa forma, essa importante questão pode ser solucionada.
:arrow: Sua proposta está incompleta, pois falta o detalhamento. 160 na C5!

Seu texto está bom, mas tome cuidado com a competência 1, 4 e 5. Bons estudos!

Machado de Assis, em sua fase realista, despiu a s[…]

Há milênios, a medicina está e[…]

No cenário social vigente, a persistê[…]

Sua nota ficou 560! Espero ter ajudado! Aaaaaah[…]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM