• Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
  • Avatar do usuário
#65103
O filme “Pantera Negra” lançado em 2018 é considerado um marco da representatividade negra no cinema, tendo seu elenco principal composto quase totalmente por negros. Entretanto, apesar de sucessos como o do filme citado, a representatividade de pessoas negras e da comunidade LGBTQIA+, por exemplo, ainda é baixa, principalmente na publicidade. Essa escassa diversidade na publicidade acarreta problemas como a persistência do preconceito por parte da população e a falta de inclusão social.
Em primeiro lugar, é importante destacar a nociva persistência do preconceito que poderia ser combatida com uma maior diversidade nas campanhas publicitárias, além de outras ações. Segundo o filósofo francês Voltaire, o preconceito é opinião sem conhecimento. Desse modo, as campanhas publicitárias com seu alcance de público poderiam desmitificar estereótipos, apresentando uma imagem mais real dos negros e das pessoas da comunidade LGBTQIA+, por exemplo, trazendo um maior conhecimento a respeito desses grupos para a população.
Como consequência desse preconceito, há falta de inclusão social em relação às pessoas afetadas. Segundo o artigo 6° da Constituição Federal de 1988, são direitos sociais inerentes ao cidadão a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, etc. Porém, muitas pessoas são privadas desses direitos pelo fato de apresentarem cor de pele e/ou orientação sexual, por exemplo, que são discriminadas na sociedade. Assim, fica evidente a nocividade da falta de inclusão social.
Evidencia-se, portanto, que os problemas gerados pelo preconceito na sociedade, algo que poderia ser combatido por uma maior representatividade na publicidade, mas não só por ela. Por isso, faz-se necessário que marcas renomadas entrem no combate contra o preconceito e falta de inclusão social por meio de uma maior representatividade em suas campanhas publicitárias. Desse modo, também deve haver ação estatal para resolução desses problemas. Assim, o Ministério da Cidadania em parceria com o Ministério da Educação deve estruturar um plano que inclua campanhas que tratem do assunto, além de políticas públicas que deem suporte e garantam a inclusão das pessoas afetadas por meio de um projeto de lei a ser enviado à Câmara dos Deputados. Espera-se com essas medidas, combater a descriminação e suas consequências que assolam a sociedade.
Competência 1

Demonstrar domínio da norma da língua escrita.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 2

Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 3

Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

Competência 5

Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Sua nota nessa competência foi: Redação ainda não pontuada

francis tuliofn ,poderiam ler também e […]

No Brasil, existe o decreto constitucional lei N&d[…]

Drogas

O filme:"Diário de um adolescente"[…]

Preconceito Linguístico

Oi, Mikellayne ! Introdução […]

Corrija seu texto agora mesmo, é de GRAÇA!

Novo aplicativo de correção gratuita para redação ENEM